Superbike
22/05/2017 10:11

Schwantz relata encontro e recusa a convite de Hayden para pedalar antes de acidente: “Estou com dificuldade para aceitar”

Na Itália para um lançamento da Suzuki, Kevin Schwantz contou que encontrou com Nicky Hayden horas antes do atropelamento e foi chamado pelo #69 para pedalar. Campeão das 500cc em 1993, o norte-americano admitiu dificuldade para aceitar o acidente do piloto de 35 anos e ponderou se as coisas teriam sido diferentes se eles estivessem juntos
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Kevin Schwantz (Foto: GEPA pictures/Gold & Goose)
 
Campeão das 500cc em 1993, Kevin Schwantz esteve no Hospital Maurizio Bufalini, em Cesena, na Itália, para visitar Nicky Hayden. O piloto do Kentucky segue sua batalha pela vida cinco dias após ter sido atropelado nas cercanias de Rimini quando andava de bicicleta.
 
Na Itália para o lançamento da Suzuki GSX-R1000, Schwantz contou ao diário italiano ‘La Gazzetta dello Sport’ que encontrou com Hayden horas antes do atropelamento e foi convidado pelo piloto da Honda no Mundial de Superbike para pedalar naquela tarde.
Kevin Schwantz relatou encontro com Hayden horas antes de atropelamento (Foto: GEPA pictures/Gold & Goose)

“Eu estava correndo de Gabicce Mare em direção a Riccione quando encontrei Nicky, que também estava treinando na orla perto de Cattolica”, contou Schwantz. “Nós corremos juntos por um tempo e aí, quando estávamos nos despedindo, Nicky me chamou para pedalar com ele naquela tarde”, revelou.
 
“Eu disse não a ele, já que não estava com a minha bicicleta. Aí, algumas horas mais tarde, ouvi sobre o terrível acidente”, relatou. “Estou com dificuldade para aceitar. Não estou dizendo que seria diferente se estivéssemos juntos, mas, quem sabe, talvez estivéssemos em outro lugar”, ponderou.
 
Ainda, Schwantz contou que se arrependeu por não ter tirado uma foto com Hayden para postar no Facebook, mas acreditou que voltaria a encontrar o campeão de 2006 da MotoGP nos próximos dias.
 
“O que é irônico é que assim que voltei a correr, percebi que deveria ter tirado uma foto com Nicky para colocar no Facebook. A legenda seria: ‘Ei, olha quem eu encontrei correndo hoje na região de Cattolica’”, falou Kevin. “Aí eu disse a mim mesmo que isso não importava, porque, sem dúvida, eu voltaria a vê-los nos próximos dias”, continuou.
 
Ainda abalado pelo que aconteceu com Hayden, Schwantz elogiou o piloto e a família, que segue lutando pela recuperação do #69.
 
“Eu nunca corri contra ele, mas ele é um cara ótimo para passar um tempo junto e tem uma família fantástica”, elogiou. “O que sempre me impressionou nele é que ele sempre quis o melhor, em termos de corrida, para os irmãos Tommy e Roger Lee. Eles sempre tentam ajudar um ao outro a melhorar”, apontou.
 
“Toda a família Hayden é feita de pessoas fantásticas”, concluiu.
 
Em uma conversa com o site norte-americano ‘Road Racing World’, Earl Hayden, pai de Nicky, contou que o quadro clínico do piloto segue inalterado e admitiu que o filho precisa de um milagre.  Internado no Hospital Maurizio Bufalini, em Cesena, Nicky luta contra um “sério politrauma com subsequente dano cerebral grave”.
 
MENINO THOMAS MOSTRA LADO HUMANO DA F1 E AQUECE ATÉ CORAÇÃO DO ‘HOMEM DE GELO’ RÄIKKÖNEN