Superbike

Primeiro a conquistar três títulos seguidos no Mundial de Superbike, Rea avisa: “Ainda estou faminto por mais”

Primeiro piloto a conquistar três títulos do Mundial de Superbike de forma seguida, Jonathan Rea afirmou que já está faminto por mais. Norte-irlandês celebrou que tenha fechado a conta do campeonato com uma vitória em Magny-Cours
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Rea conquistou o terceiro título consecutivo (Foto:Divulgação/Superbike)

Jonathan Rea fez história neste sábado (30). Com uma impecável vitória no piso molhado de Magny-Cours na primeira perna da rodada dupla da França do Mundial de Superbike, o norte-irlandês se tornou o primeiro a conquistar o título do certame três vezes seguidas.
 
Além disso, a marca coloca Rea empado com Troy Bayliss como tricampeão do Mundial de Superbike, atrás de apenas Carl Fogarty e seus quatro títulos. 
Jonathan Rea comemora título com equipe (Foto: Divulgação/Superbike)

“Realmente não tenho palavras para explicar como me sinto agora, apenas super grato por estar nesta posição”, disse Rea ao site oficial da categoria. “Acho que a marca de 50 vitórias vai ficar um pouco perdida com o campeonato, mas estou igualmente orgulhoso disso”, apontou.
 
“Não acho que vou entender exatamente o que estou fazendo até olhar para a minha carreira quando estiver velho e fora das corridas. Mas, agora, estou no momento com um grande time e ainda estou faminto por mais”, avisou. “Estou ansioso para terminar a temporada forte e aí voltar a atenção para 2018 ― claro, teremos grandes desafios, mas estou pronto para isso”, assegurou.
 
Nos dois títulos anteriores, Rea assegurou a taça sem vencer a corrida, mas, desta vez, estava focado em chegar a conquista “dos sonhos”. Mais cedo, o norte-irlandês chegou a sofrer uma queda nos treinos classificatórios e acabou com dor no ombro, mas teve a tarefa facilitada pela pista molhada.
 
“Eu queria muito vencer esta corrida, mas também não a todo custo”, contou. “Em 2015, conquistei o titulo ficando for a do pódio, e foi uma sensação de vazio. O sonho era vencer o campeonato vencendo a corrida”, destacou.
 
“Em 2016, eu venci quando fui batido por Chaz [Davies] na corrida, mas este ano eu garanti a vitória, e não foi fácil”, comentou. “Esta manhã, eu perdi a traseira e cai e realmente machuquei o meu ombro. Foi, provavelmente, uma benção que a corrida tenha sido no molhado, um pouco menos física”, reconheceu.
 
Por fim, Johnny lembrou os sacrifícios que fez ao longo da carreira e agradeceu à Kawasaki e a família pelo apoio.
 
“Eu sacrifiquei tanto na vida para chegar ao nível de viver meu sonho e conquistar um Mundial, então conquistar três, não posso realmente explicar a sensação”, afirmou. “Quero dizer muito obrigado ao meu time e todos no Japão, e quero agradecer a minha família por fazer sacrifícios para permitir que eu viva meu sonho”, falou. 
 
“Estou muito feliz com essa vitória e também por alcançar minha 50ª vitória no Mundial de Superbike. Estou muito feliz com esta estatística”, concluiu.
PLANEJANDO FUTURO

LÍDER DO EUROPEU DE MOTO2, GRANADO MIRA VOLTA AO MUNDIAL