Superbike
20/05/2017 06:40

Em novo boletim médico, hospital indica quadro clínico inalterado de Hayden: “Condição segue crítica”

Em um boletim médico emitido da manhã deste sábado (20), o Hospital Maurizio Bufalini, em Cesena, na Itália, afirmou que o quadro clínico de Nicky Hayden segue inalterado. Norte-americano tenta se recuperar das graves lesões sofridas ao ser atropelado na última quarta-feira
Warm Up / JULIANA TESSER, de São Paulo
 Nicky Hayden (Foto: Markus Berger/Red Bull Content Pool)
 
O Hospital Maurizio Bufalini, em Cesena, na Itália, emitiu um novo boletim médico sobre a condição de Nicky Hayden. De acordo com os médicos, o quadro do piloto da Honda no Mundial de Superbike segue inalterado e a condição permanece crítica.
 
Nicky Hayden tem quadro clínico inalterado em Cesena (Foto: Graeme Brown/Red Bull Content Pool)

Pelas redes sociais, a Honda transmitiu a atualização da condição do #69. “A condição de Nicky Hayden permanece crítica. O quadro clínico dele está inalterado”.
 
 
Earl não pode viajar à Itália por conta de problemas de saúde, mas Nicky está acompanhado pela mãe, Rose, pelo irmão Tommy e pela noiva, Jackie Marin, além de integrantes do time.

Vida e carreira
 
Hayden teve longa carreira na MotoGP, competindo em tempo integral entre 2003 e 2016. O ponto alto foi a temporada 2006, quando o americano derrotou Valentino Rossi em uma briga acirrada pelo título. Sem apresentar o brilho de outrora nos últimos anos, Nicky topou representar a Honda no Mundial de Superbike. Em 2016, seu primeiro ano completo no certame, o piloto venceu uma corrida e fechou a temporada em quinto. A temporada 2017 começou com resultados medianos – a melhor posição de chegada foi um sétimo lugar na Tailândia. No último final de semana, em Ímola, abandonou uma prova e foi 12º na outra.
 
Nicky Hayden nasceu na cidade de Owensboro, no Kentucky, em 30 de julho e tem 35 anos. É o último piloto norte-americano campeão mundial da MotoGP De trajetória diferente da maioria dos competidores do Mundial de Motovelocidade, o piloto ganhou notoriedade com grandes performances no Campeonato Americano de Superbike, categoria na qual se consagrou campeão em 2002. Antes disso, já havia vencido a AMA Supersport 600 com a Honda em 1999.
 
Nicky ainda faria uma participação em 2002 na rodada de Laguna Seca do Mundial de Superbike. E o desempenho chamou atenção, tanto que, na temporada seguinte, Hayden já estava na MotoGP, defendendo a equipe de fábrica da Honda.
 
Com os japoneses, o piloto foi quinto colocado em seu ano de estreia em 2003. A carreira do americano. Então, evoluiu ao longo dos anos: em 2005, veio a primeira vitória na MotoGP e logo em casa: com direito a pole em Laguna Seca, Hayden subiu ao topo do pódio pela primeira vez em 10 de julho. Além da vitória na Califórnia, o piloto faturou ainda outros cinco pódios e duas poles para terminar em terceiro lugar. Mas o grande ano veio em 2006. Ainda andando com a marca nipônica, Hayden se tornou campeão mundial, vencendo Valentino Rossi, por apenas cinco pontos.
 
Foram dois triunfos de Hayden naquele ano, contra cinco de Rossi. No entanto, a consistência do americano da Honda e a regularidade foram decisivos para que ele conquistasse sua maior glória na carreira.
Nicky Hayden faz parte do rol das Lendas da MotoGP (Foto: MotoGP)
Nicky ficou mais duas temporadas na esquadra japonesa antes de, em 2009, assinar contrato com a Ducati. Pela equipe italiana, o norte-americano disputou cinco campeonatos, tendo o italiano multicampeão do Mundial como companheiro em duas temporadas. Sem sucesso com a difícil moto de Borgo Panigale, Hayden ainda correr na pequena Aspar entre 2014 e 2015. Sua última aparição na MotoGP aconteceu no passado, quando defendeu a Marc VDS na Espanha e a Honda na etapa de Austrália, onde foi chamado para substituir o lesionado Dani Pedrosa.
 
Atualmente, Hayden corre pela equipe de fábrica da Honda no Mundial de Superbike. No último fim de semana, o piloto disputou a rodada de Ímola. Nicky não terminou a primeira corrida, mas completou a segunda em 12º.
MENINO THOMAS MOSTRA LADO HUMANO DA F1 E AQUECE ATÉ CORAÇÃO DO ‘HOMEM DE GELO’ RÄIKKÖNEN