Superbike
30/09/2018 08:59

Carrasco fatura título da Supersport 300 e se torna primeira mulher campeã mundial no motociclismo

Ana Carrasco é enorme e ninguém pode negar. Neste domingo (30), ao cruzar a linha de chegada em 13º em Magny-Cours, a espanhola não só conquistou o título do Mundial de Supersport300 como também tornou-se a primeira piloto mulher a ser campeã mundial no motociclismo
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Ana Carrasco entrou para a história (Foto: Mundial de Superbike)
Ana Carrasco é enorme, é gigante. Neste domingo (30), tornou-se a primeira piloto mulher da história a conquistar um campeonato mundial da FIM ao ganhar o título da temporada 2018 no Mundial de Supersport 300.
 
O caneco da espanhola começou a aproximar-se quando conquistou as vitórias consecutivas nas etapas de Ímola e Donington, onde dominou os finais de semana do início ao fim. Com isso, assumiu uma vantagem importante para sagrar-se campeã em Magny-Cours.
 
Com passagem pela Moto3, foi no Supersport 300, criado em 2017, que Casscasco se encontrou. Nesta temporada, teve resultados consistentes e regulares, a chave para ter conquistado o tão sonhado título e algo que alguns de seus adversários não conseguiram fazer.
Ana Carrasco entrou para a história (Foto: Mundial de Superbike)
Após um início de final de semana não tão fácil, onde não mostrou bom ritmo durante os treinos, neste domingo a piloto deu a volta por cima para escrever em definitivo seu nome na história. A espanhola precisava ser décima caso Mika Pérez vencesse, ou cruzar a linha de chegada em 14ª caso Pérez fosse segundo. Largando em 25ª, a tarefa parecia difícil, mas não impossível.

Com a largada autorizada, Tom Edward pulou de terceiro para primeiro, deixando Scott Deroue e Pérez para trás. Enquanto isso, Carrasco seguia fora do top-20 e sua situação ia dificultando a medida que a corrida passava.

Entretanto, em um enorme golpe de má sorte para Scott, com oito voltas para o fim e enquanto brigava pela ponta do pelotão, um problema mecânico o tirou em definitivo da brig pelo título, deixando o caminho de Ana um pouco mais fácil.
Ana Carrasco (Foto: Mundial de Superbike)
Isso deixou apenas Pérez e Luca Grunwald como os dois adversários que poderiam frear o título da titular da Kawasaki, e ambos no pelotão da frente. Em uma briga emocionante, a liderança seguia mudando curva a curva, com Mika ameaçando o primeiro colocado e Ana começando a ganhar colocações.
 
Nas voltas finais, Carrasco já havia ganhado terreno e subido para 13ª. Na ponta do pelotão, Mika liderava faltando quatro curvas, mas o que não contava era com uma ultrapassagem de Dani Valle, que acabou mudando todo o cenário. Além do piloto da Yamaha conquistar sua primeira vitória mundial, ainda ajudou Carrasco a ser campeã.
 
Ana mostrou grande adaptação logo em seu segundo ano no Supersport3000. Com passagens infrutíferas na Moto3 e no Campeonato Espanhol de Moto2, foi no certame que achou espaço para crescer e buscar sempre bons resultados. Logo em 2017 conquistou sua primeira vitória, em Portimão, mas faltou a consistência que apresentou neste campeonato. Em 2018, pontuou sempre, se mostrou combativa, brilhou e agora entrou para a história.