Superbike

Barberá é acusado por equipe de furto da própria moto antes de etapa do Mundial de Supersport em Aragão

A Yamaha de Héctor Barberá desapareceu antes da corrida do Mundial de Supersport em Aragão, na manhã deste domingo (7). O piloto anunciou a saída da equipe Team Toth, que agora suspeita que o espanhol é o verdadeiro responsável pelo sumiço da moto

Grande Prêmio / Redação GP, de Campinas

O motociclista espanhol Héctor Barberá não participou da etapa de Aragão do Mundial de Supersport, categoria de apoio ao Superbike. A Yamaha do espanhol desapareceu na manhã da corrida deste domingo (7). A equipe Team Toth reportou o furto para a polícia local e acredita que Barberá é o principal suspeito, após o piloto anunciar sua saída do time imediatamente após o ocorrido.

Ex-MotoGP, Barberá fez duas corridas pela Toth, com um quarto lugar na Austrália e um sétimo na Tailândia. O relacionamento com o time não era dos melhores por conta das dificuldades financeiras. A participação do piloto na etapa de Aragão já estava ameaçada por conta de um problema no motor, que deveria ser trocado, mas não foi por conta de uma pendência do patrocinador principal com a equipe.

"O que começou como um sonho acabou como um pesadelo. Os problemas de dinheiro com o acordo entre a equipe e o nosso principal patrocinador fizeram com que essa aventura no Mundial de Supersport terminasse hoje, em casa, em uma corrida que eu estava empolgado por motivos especiais e que não vou conseguir correr", declarou Barberá.
Héctor Barberá é suspeito de roubar a própria moto (Foto: Reprodução)
Na manhã de domingo, a Yamaha R6 não foi encontrada na garagem da equipe, que imediatamente reportou o sumiço para as autoridades locais. Barberá anunciou a sua saída da equipe por "motivos de segurança", o que levantou suspeitas de que o próprio piloto teria furtado a moto. Uma investigação sobre o caso está em andamento, de acordo com a emissora espanhola RTVE.

“Héctor não queria correr esta corrida nesta moto no momento. Era melhor vir e subir na moto para poder se comunicar com a imprensa e todos os fãs. A moto não está aqui e, como consequência, ele não pôde correr”, disse um membro da equipe ao canal.

Não é a primeira polêmica do espanhol com a lei. Barberá perdeu sua vaga na Moto2 em 2018 após ser condenado por dirigir embriagado. Ele competiu na MotoGP entre 2010 e 2017.
 
Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #13: Isso o GRANDE PRÊMIO não mostra



 Ouça no Spotify
 Ouça no iTunes
 Ouça no Android
 Ouça no playerFM