Seletiva BR

Lucas Okada vence última bateria e conquista título de campeão da 20ª edição da Seletiva de Kart Petrobras

Depois de ser vice-campeão em 2016 e 17, o brasiliense Lucas Okada conquistou o título da Seletiva de Kart Petrobra na Granja Viana. Paulista Enzo Prando foi o vice-campeão
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Lucas Okada (Foto: Fabio Oliveira/Radical Motors)
Vitória da persistência. O brasiliense Lucas Okada, de 18 anos, é o campeão da edição histórica de número 20 da Seletiva de Kart Petrobras, um dos principais torneios de apoio ao kartismo nacional e que distribui a maior premiação da modalidade no país desde 1999. A conquista veio de forma emocionante, na segunda bateria da final, realizada nesta terça-feira (dia 23) no kartódromo da Granja Viana, em Cotia (SP).
 
Depois de ser vice-campeão em 2016 e 2017, Okada finalmente pode comemorar o título ao vencer a última corrida e somar o total de 40 pontos. O piloto não conteve as lágrimas no pódio. Ele faturou o prêmio de R$ 100 mil e participará do programa de orientação, que inclui várias ações.
 
O vice-campeonato ficou com o estreante Enzo Prando, que liderou o primeiro dia de disputas e foi para a decisão na ponta da tabela. A perda de posições na primeira volta deixou a briga pelo título mais distante. Mas, com 37 pontos no total, o paulista de 19 anos garantiu o vice, levando também o prêmio de R$ 10 mil.
Lucas Okada e João Rosate (Foto: Fabio Oliveira/Radical Motors)
O gaúcho Pedro Goulart, de 17 anos, completou a disputa em terceiro, com 33 pontos. Foi a melhor participação do piloto na final a Seletiva (ele ficou em sétimo em 2016 e oitavo no ano passado).
 
Okada e Prando, que se classificaram juntos para a final, na disputa da terceira classificatória, dentro da Copa Petrobras Sorriso Campeão, participarão agora de uma série de atividades. Entre elas, visitarão a sede da equipe McLaren de F1, em Woking, na Inglaterra. Também na Europa, realizarão treinos de F4 e terão a experiência em um simulador de F1.
 
No Brasil, os dois também farão um treino na Stock Car Light e participarão de ações de avaliação física e psicológica, media training e palestra sobre marketing esportivo.
 
Para Okada, a disputa deste ano foi uma das mais difíceis e o piloto “tirou um peso das costas”. “Foi minha terceira final da Seletiva de Kart Petrobras. Fui vice-campeão nas duas últimas e cheguei aqui com esse peso, de conquistar o título agora. Eu precisava muito disso. Não foi fácil, uma das mais difíceis. Houve muita variação, ninguém disparou na frente, todo mundo muito igual e, por poucos pontos, eu consegui vencer”, disse.
 
“As experiências que a Seletiva proporciona são inesquecíveis. Eu já fui para a Itália em 2016, como vice-campeão, fiz testes e esse programa de orientação é muito importante para os jovens pilotos que estão saindo do kart”, completou o brasiliense, que correu com o kart #4.
Lucas Okada (Foto: Fabio Oliveira/Radical Motors)
Estreante na Seletiva, Prando ficou satisfeito com o desempenho, mesmo com a perda do título. “Acredito que fiz um bom trabalho. Foi meu ano de estreia, nunca havia participado da Seletiva e cheguei no último dia da final como líder. Na última corrida, eu também estava na frente, com uma boa vantagem, mas não deu certo e perdi o título. Mas com essa colocação eu vou ter uma experiência muito boa lá fora”, destacou.
 
“Estou bem ansioso para testar de F4 e Stock Light, pois a minha vida toda eu só andei de kart. E, com certeza, o que enche os olhos de todo mundo é a premiação pra conhecer a McLaren”, continuou o piloto do kart #2, que já faz planos para 2019.
 
“Estou com 19 anos. Tenho mais uma tentativa. O ano que vem venho buscar o título da Seletiva de Kart Petrobras”, finalizou Prando.
 
Para Binho Carcasci, idealizador e organizador da Seletiva, a sensação ao final era de missão cumprida, principalmente por ter dado dos pilotos equipamentos com chances de brigar em condições de igualdade.
 
“Ainda estamos com a adrenalina alta, mas consigo olhar para trás e fazer uma avaliação de conseguimos atingir o objetivo principal, que é entregar aos finalistas um equipamento que não interfira no resultado, que eles sejam iguais do ponto de vista técnico, e acredito que conseguimos isso”, ressaltou.
 
“Vimos que na última bateria do dia que os seis karts viraram muito próximos. Mas tenho certeza que venceu aquele que melhor aproveitou as oportunidades, o mais experiente, duas vezes batendo na trave com os vice-campeonatos, e agora ele ganhou. É uma evolução natural", comentou Carcasci, que também lembrou que na decisão o aspecto psicológico faz diferença.
Os 12 finalistas da Seletiva de Kart Petrobras 2018 (Foto: Fabio Oliveira/Radical Motors)
"Temos notado nos últimos anos de Seletiva que a diferença entre os pilotos é muito mais da cabeça, da concentração do que outras coisas. Os 12 que estiveram aqui são talentosos. Eles conquistaram suas vagas para estarem aqui. Já são merecedores. Então aquele que tem a cabeça no lugar, conseguiu interpretar melhor o regulamento, que chegou focado 100% para conquistar os pontos importantes nas eliminatórias, é o que se sobressai, por isso a experiência vale tanto", encerrou.
 
Confira como foi o último dia da Seletiva de Kart Petrobras 2018:
 
A disputa desta terça-feira começou com um warm-up para os 12 finalistas. Na sequência, aconteceu a primeira repescagem, envolvendo os pilotos Marcos Gonçalves Filho, Gabriel Paturle e Dante Fibra. Após oito voltas, Paturle venceu e seguiu adiante na competição. Os demais já deram adeus à Seletiva.
 
Com dez pilotos na briga, aconteceu a segunda eliminatória com dois grupos de cinco. Na primeira delas, Enzo Prando venceu após 14 voltas, seguido por Pedro Goulart, Guilherme Peixoto, Victor Schoma e Allan Croce.
 
Na segunda, vitória de Lucas Okada, seguido por Christian Fliter, Paturle, Nicolas Fliter e Pedro Lopes.
 
Em seguida, foi realizada a segunda repescagem, envolvendo Lopes, Schoma, Croce, Nicolas Fliter e Paturle. Lopes venceu e avançou para a decisão.
 
A final contou com duas baterias, onde os seis pilotos correram juntos: Prando, Goulart, Peixoto, Okada, Christian Fliter e Lopes. A primeira teve a disputa de 16 voltas. A última 18 voltas.
 
A corrida 1 teve vitória de Christian Fliter, com Prando em segundo e Goulart em terceiro. Os pilotos foram para a decisão com Prando liderando a pontuação final, cinco pontos de vantagem para Okada.
 
Na última corrida, Fliter largou na pole e precisava cruzar a linha de chegada em primeiro para garantir o título. Para Okada era vencer ou vencer e o piloto foi pra cima. Os dois travaram uma bela disputa, mas faltando três voltas para o final, na tentativa de ultrapassar Okada, Fliter cometeu um pequeno erro e o líder abriu distância, garantindo a vitória.
 
A final da 20ª edição da Seletiva de Kart Petrobras contou com representantes de quatro regiões do Brasil, sendo quatro estados e mais o Distrito Federal: Nordeste (Maranhão), Centro-Oeste (Brasília), Sudeste (São Paulo e Minas Gerais) e Sul (Rio Grande do Sul).
 
Todos os resultados da 20ª edição da Seletiva de Kart Petrobras estão no link.
 
Veja a pontuação final da 20ª edição da Seletiva de Kart Petrobras:
1. Lucas Okada (DF) 40 pontos
2. Enzo Prando (SP) 37
3. Pedro Goulart (RS) 33
4. Christian Fliter (SP) 32
5. Pedro Lopes (SP) 31
6. Guilherme Peixoto (SP) 29
7. Nicolas Fliter (SP) 17
8. Allan Martins Croce (SP) 13
9. Victor Schoma (SP) 12
10. Gabriel Paturle (MG) 11
11. Marcos Gonçalves Filho (MA) 7
12. Dante Fibra (SP) 7
 
Os resultados das Baterias Finais:
 
Primeira Bateria
1° #6 Christian Fliter (SP) 16 voltas em 9min25s855 
2° #2 Enzo Prando (SP) a 1s619 
3° #10 Pedro Goulart (RS) a 2s567 
4° #5 Pedro Lopes (SP) a 2s999 
5° #4 Lucas Okada (DF) a 4s797 
6° #3 Guilherme Peixoto (SP) a 4s923
 
Segunda Bateria
1° #4 Lucas Okada (DF) 18 voltas em 10min34s481 
2° #6 Christian Fliter (SP) a 0s608 
3° #10 Pedro Goulart (RS) a 0s857 
4° #5 Pedro Lopes (SP) a 1s616 
5° #3 Guilherme Peixoto (SP) a 2s509 
6° #2 Enzo Prando (SP) a 2s827