Rali
20/01/2018 07:36

Varela e Gugelmin terminam em segundo penúltima especial do Dakar e se aproximam da vitória nos UTVs

O piloto Reinaldo Varela e o navegador Gustavo Gugelmin completaram a penúltima especial do Rali Dakar 2018 na segunda colocação, mas seguem firmes na liderança da classe dos UTVs. Os brasileiros vão entrar na derradeira etapa da competição, neste sábado, com pouco mais de 50 minutos de vantagem
Warm Up / Redação GP, de Curitiba
 O piloto Reinaldo Varela e o navegador Gustavo Gugelmin completaram a penúltima especial do Rali Dakar 2018 na segunda colocação (Foto: Vinicius Branca)

13ª ETAPA | 19 de janeiro
San Juan (ARG) – Córdoba (ARG)
Trecho cronometrado: 369 km
Percurso total: 929 km

Reinaldo Varela e o navegador Gustavo Gugelmin seguem firmes na busca do título do Rali Dakar 2018 na classe dos UTVs. Nesta sexta-feira (20), a competição chegou à 13ª especial, que foi disputada entre as cidades de San Juan e Córdoba, e os mais velozes do dia foram Patrice Garrouste e Steven Griener, que completaram a etapa com o tempo de 6h29min40s. Os líderes Varela e Gugelmin terminaram logo atrás, na segunda colocação, quase dez minutos depois dos vencedores. A terceira posição ficou nas mãos de Claude Fournier e Szymon Gospodarczyk. Foram 929 quilômetros percorridos, sendo 369 de trecho cronometrado.
 
Na classificação geral, os brasileiros que competem o rali a bordo do Can-Am Maverick X3 acumulam 53min28s de vantagem no comando da categoria, restando apenas uma etapa para o fim da maior disputa off-road do mundo.
O piloto Reinaldo Varela e o navegador Gustavo Gugelmin completaram a penúltima especial do Rali Dakar 2018 na segunda colocação (Foto: Magnus Torquato)

“Vamos tranquilos para a última etapa, é hora de ‘correr devagar’ para garantir o título para o Brasil”, disse o paulista Varela. “O Can-Am Maverick X3 está perfeito, só precisa trocar a pastilha de freio e fazer uma revisão básica. Nós, competidores, que estamos exaustos e precisamos de manutenção total”, brincou.
 
O catarinense Gugelmin fez uma análise da difícil penúltima etapa do Dakar. “Foi um dia longo e de muita serra, por isso o freio foi bastante exigido. Com mais de 900 quilômetros de roteiro, parecia que não íamos chegar nunca. Deu tudo certo e estamos muito animados para a etapa final”, afirmou. “Vamos analisar a planilha e levar o UTV ‘na ponta dos dedos’, para que o Brasil alcance o lugar mais alto do pódio”, concluiu Gugelmin. 
 
Neste sábado, o Dakar encara a derradeira especial da edição de 2018. A disputa será realizada nos arredores de Córdoba. Serão 286 km de deslocamento. A especial terá apenas 120 km.