Rali

“Determinado a lutar pela vitória”, Loeb anuncia presença no Dakar 2019 com Peugeot de time privado

A Peugeot encerrou seu projeto no Rali Dakar com a vitória de Carlos Sainz e Lucas Cruz neste ano, mas vai ter um 3008 em ação nas dunas do Peru em janeiro. Sébastien Loeb e Daniel Elena vão competir com um protótipo francês representando a PH Sport
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
 Sébastien Loeb (Foto: Getty Images)
Definitivamente, a aposentadoria não faz parte dos planos de Sébastien Loeb. O eneacampeão mundial de rali, que teve uma presença esporádica no WRC na disputa do Rali da Catalunha, com direito a vitória, anunciou que vai disputar o Rali Dakar 2019, entre 6 e 17 de janeiro, no Peru. O francês de 44 anos vai formar dupla com o inseparável navegador Daniel Elena a bordo de um Peugeot 3008, modelo de 2017. A montadora francesa encerrou seu projeto no Dakar com a vitória de Carlos Sainz e Lucas Cruz neste ano, mas vai ter dois protótipos 3008 em ação, preparados pela equipe privada PH Sport.
 
Além de Loeb e Elena, a equipe vai contar também com a dupla formada por Harry Hunt e Pierre Lachaume. O lendário piloto francês vai voltar ao maior rali do mundo após três participações, tendo como melhor resultado o segundo lugar em 2017. Ao todo, Loeb e Elena venceram dez especiais entre 2016 e a disputa deste ano. 
 
Em 2018, a dupla abandonou a disputa após o navegador sofrer com lesões na esteira de um acidente — impacto da queda de uma duna no Peru.
Sébastien Loeb vai voltar à disputa do Rali Dakar em 2019 (Foto: Flavien Duhamel/Red Bull Content Pool)
Loeb e Elena vão ter pela frente grandes adversários pela frente. A começar pelo ‘time dos sonhos’ montado pela Mini X-Raid, que contratou justamente seus ex-companheiros nos tempos de Peugeot: Carlos Sainz, Stéphane Peterhansel — lenda máxima do Rali Dakar, com 13 conquistas — e Cyril Despres. Nasser Al-Attiyah e Giniel de Villiers, da Toyota, também já estão confirmados no grid do maior rali do mundo que, pela primeira vez na história, vai ser disputado num único país.
 
“Gosto das dunas. A chave do sucesso neste tipo de terreno é não afundar na areia. É nisso que vou focar durante os treinos. Tomei a decisão de voltar ao Dakar de última hora, mas estou determinado a lutar pela vitória. É possível que não estejamos suficientemente preparados, mas tenho tudo o que aprendi nos último três anos”, salientou o francês.
 
“Estou pronto para a aventura. No Mundial de Rali neste ano, tampouco tínhamos a expectativa de poder vencer”, complementou, ressaltando que a vitória no Rali da Catalunha no último fim de semana, com a Citroën, foi um tanto inesperada.
 
Por contar com um protótipo 2017 de equipe privada, enquanto seus grandes adversários vão contar com equipamento atualizado e time de fábrica, faz com que a disputa pela vitória seja um autêntico desafio. “Vão ser grandes rivais. Não sabemos até onde vai chegar o nível de competitividade, mas são muitas as equipes com chances de vencer, e nós somos uma delas”, encerrou o eneacampeão mundial de rali.