Rali

Al-Attiyah fala em “regulamento injusto” no Dakar e provoca: “Se estivesse com um buggy, diria adeus a todos”

Campeão do Rali Dakar em 2011 e 2015, Nasser Al-Attiyah entende que a Toyota é desfavorecida pelo regulamento da competição, que permite aos carros 4x2, como os buggys da Peugeot, um sistema capaz de encher e esvaziar pneus sem que os pilotos precisem descer do carro, diferente dos Hilux 4x4. O catariano disse que sobraria na prova se estivesse com um buggy nas mãos neste ano
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
 Nasser Al-Attiyah (Foto: Flavien Duhamel/Red Bull Content Pool)

Figura das mais simpáticas e emblemáticas do Rali Dakar, Nasser Al-Attiyah também não se esquiva das polêmicas. Sempre sem papas na língua, o príncipe catariano demonstrou sua contrariedade a respeito do regulamento da competição, que permite aos buggys, com tração em duas das quatro rodas, um sistema para encher e esvaziar os pneus sem que os pilotos precisem sair dos carros, que acaba sendo ideal para trechos como nas dunas, por exemplo. O sistema é permitido nos carros da Peugeot, porém banidos para os 4x4, como o Toyota Hilux pilotado por Nasser.
 
Após seis dias de disputa no Rali Dakar na edição deste ano, Nasser aparece na quarta posição, atrás de Stéphane Peterhansel, Carlos Sainz — os dois primeiros da Peugeot — e do holandês Bernhard Ten Brinke, que vem fazendo grande rali e também pilota um Toyota.
 
Al-Attiyah venceu duas especiais, mas perdeu terreno muito por conta de erros de navegação e de furos nos pneus durante o trajeto pelo deserto do Atacama, no Peru. Algo que, na visão do piloto, não aconteceria se ele contasse com o mesmo sistema que dispõe os buggys, como os da Peugeot. Nasser entende que, se contasse com um buggy, sobraria na prova: “Diria adeus a todos”, ironizou.
Nasser Al-Attiyah entende que o regulamento do Dakar prejudica a Toyota contra a Peugeot (Foto: Marcelo Maragni/Red Bull Content Pool)
“Os primeiros dias não foram fáceis porque sabemos a vantagem que os buggys têm contra os 4x4 pelo sistema de murchar/encher pneus. Mas ok, estamos felizes por estar aqui e ainda temos oito dias pela frente. A etapa maratona vai ser complicada e esperamos poder brilhar nela”, declarou o bicampeão em entrevista ao site norte-americano ‘Motorsport.com’.
 
A primeira perna da etapa maratona, onde os pilotos e navegadores não podem contar com suporte das equipes de apoio, é neste sábado, entre o trecho entre La Paz e Uyuni, na Bolívia.
 

“É complicado bater os Peugeot na altitude porque eles pesam muito pouco e têm muita potência. Mas dois estão fora e só ficaram outros dois. Com oito dias pela frente, nunca se sabe”, continuou Nasser, citando o abandono de Sébastien Loeb e os problemas que tiraram da luta pela vitória o francês Cyril Despres.
 
Questionado se a Toyota planeja construir um buggy para a edição 2019 do Dakar, Al-Attiyah deixou claro que não crê em tal possibilidade. “Acho que não faz sentido porque para 2019 o regulamento vai mudar de novo. Mas precisamos ter um regulamento justo entre os 4x4 e os 4x2. Se amanhã largasse com um 4x2, diria adeus a todos. Não é justo”, finalizou.