Outras

Três semanas após fundação, W Series diz ter mais de 100 candidaturas para 18 vagas no grid de 2019

Catherine Bond Muir, diretora-executiva da W Series, disse já ter sido procurada por mais de 100 pilotas. A categoria, que vai ter a primeira temporada em 2019, é a primeira com a proposta de ter grid formado inteiramente por mulheres
Warm Up / Redação GP, de Berlim
 O carro da nova W Series (Foto: Divulgação)

A W Series, primeira categoria exclusivamente feminina do automobilismo, já coleta candidaturas de pilotas que buscam vagas no grid de 2019. Passadas três semanas desde o anúncio da fundação, o campeonato afirma já ter mais de 100 mulheres interessadas em fazer parte do grid.
 
A informação vem de Catherine Bond Muir, diretora-executiva da W Series, entrevistada pelo ‘SportsBusiness Journal’. Ainda não há informações precisas sobre a identidade da centena de candidatas, que vão passar por processo seletivo para a escolha das 18 que vão competir em 2019.
 
A W Series surge como uma alternativa atraente do ponto de vista financeiro, já que a organização promete participação gratuita, sem necessidade de que pilotas tragam apoio financeiro. Além disso, o total US$ 1,5 milhão [ou R$ 5,6 milhão] vai ser distribuído como premiação às melhores do campeonato. Mesmo assim, a iniciativa ganhou oposição: pilotas como Pippa Mann e Tatiana Calderón externaram preocupação com a ‘segregação’ de homens e mulheres, acreditando que os dois sexos são capazes de competir no mesmo nível no automobilismo.
O carro da nova W Series (Foto: Divulgação)
A W Series já foi anunciada como categoria suporte do DTM em 2019, o que significa corridas nas pistas de Hockenheim, Zolder, Misano, Norisring, Assen e Brands Hatch – todas na Europa, portanto. Bond Muir, todavia, já manifestou interesse em levar o certame aos Estados Unidos, onde a Indy surge como uma possível parceira.
 
A temporada 2019 da W Series tem início previsto para o fim de semana dos dias 4 e 5 de maio, quando as mulheres vão acelerar em Hockenheim ao lado do DTM.