Outras

Pilotas discordam de declarações de Jordá e se apoiam no automobilismo: “Unidas podemos fazer grandes coisas”

Carmen Jordá sabe como ser polêmica. Em sua última declaração, frisou que mulheres têm barreiras físicas para disputar contra homens, por isso precisam procurar categorias menos exigentes, como a F-E. A pilota Tati Calderón logo rebateu a espanhola, enquanto Pippa Mann explicou todo seu trabalho para apoiar a presença feminina no automobilismo
Warm Up / NATHALIA DE VIVO, de São Paulo
 Danica Patrick (Foto: Nascar)
Quando surgem notícias de Carmen Jordá na imprensa, normalmente são acompanhadas de declarações polêmicas e críticas à pilota. E da última vez não foi diferente. Em sua última fala, a espanhola afirmou que as mulheres encontram barreiras físicas ao disputarem contra homens, por isso deveriam procurar categorias menos exigentes, como a F-E.
 
Como representante da Comissão de Mulheres da FIA, muitos apontam como ela pouco tem ajudado a causa feminina. Afinal, até mesmo chegou a sugerir campeonatos separados dos homens para que elas tenham chances de serem campeãs.
 
No cenário do automobilismo mundial, é possível encontrar listar nomes de mulheres acompanhados de grandes conquistas, como Danica Patrick, Bia Figueiredo, Pippa Mann, Tatiana Calderón, Simona de Silvestro, entre tantas outras que fizeram história nas categorias em que passaram.
Tatiana Calderón (Foto: Sauber)
Inclusive a colombiana, atualmente pilota de testes da Sauber e correndo na GP3, logo tratou de rebater o pensamento de Jordá. “Eu falei pessoalmente com a Carmen, mas acredito que as mulheres podem competir sim no mesmo nível”, contou ao GRANDE PRÊMIO.
 
“Eu tenho corrido contra homens a minha vida toda e nunca senti que era impossível batê-los, e estou trabalhando muito duro para fazer isso acontecer e chegar na F1”, completou a pilota, que alcançou um pódio na corrida final da World Series, em 2017.
 
Outra pilota que também sempre se mostrou bastante contrária aos comentários de Jordá foi Mann. Na época da nomeação da espanhola ela chegou a dizer que era “desapontador” ela assumir o cargo
Pippa Mann (Foto: IndyCar)
Sobre as mulheres no cenário do esporte a motor, a vencedora da Indy Lights comentou sua luta para que a presença feminina seja cada vez maior. “Para mim, é importante que nós apoiemos umas nas outras. Ainda somos minoria, mas quando nos juntamos e permanecemos unidas, podemos fazer grandes coisas acontecerem”.
 
“Nos últimos anos, eu fiquei mais confortável em ser visível, comecei a me conectar com outras pilotas e meio que começamos um grupo de meninas dentro do grupo de meninos. Nós nos procuramos para conselhos, trabalhamos juntas para encontrar patrocinadores e nos apoiamos dentro e fora das pistas”, afirmou.

"Eu tenho orgulho de ser uma pilota e de ter garotas olhando para mim, mas ao mesmo tempo quero que saibam que estou sempre procurando alcançar melhores resultados, sempre melhorar. Acredito que essa seja uma boa meta para todos", encerrou.