MotoGP
09/10/2018 07:19

Pedrosa vê “desvantagem enorme” com pneu, mas diz que tinha ritmo para brigar pela vitória na Tailândia

Dani Pedrosa avaliou que tinha um ritmo bom o bastante em Buriram para brigar pela vitória. Piloto da Honda relatou que teve muita dificuldade para aquecer o pneu traseiro duro
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Dani Pedrosa (Foto: Repsol)
Dani Pedrosa acredita que poderia ter brigado pela vitória no GP da Tailândia se não tivesse sofrido uma queda já na parte final da disputa. Em sua temporada de despedida na MotoGP, o #26 ainda não subiu ao pódio em 2018.
 
Sétimo no grid, Dani caiu para 11º ainda no início da disputa em Buriram, mas conseguiu escalar o pelotão para chegar no grupo da ponta, que era formado por Marc Márquez, Andrea Dovizioso, Maverick Viñales e Valentino Rossi. Com sete voltas para o fim, porém, o espanhol caiu e abandonou a corrida.
 
Apesar do revés, o piloto de Sabadell avaliou que tinha ritmo para brigar pela ponta, mas sofreu muito para aquecer o pneu traseiro no início da corrida.
Dani Pedrosa avaliou que tinha ritmo para brigar pela vitória em Buriram (Foto: Repsol Honda)
“Tenho a sensação de que tinha potencial para a vitória, obviamente, no que diz respeito ao ritmo”, disse Pedrosa. “Mas aí, obviamente, quando você chega no grupo, você tem de lutar, de encontrar o caminho para passar e fazer as coisas funcionarem”, seguiu.
 
“Não sei como seria no final, com o grupo, lutando, mas, claro, em relação ao ritmo, era possível”, frisou. 
 
Com exceção de Aleix Espargaró, todos os pilotos seguiram a orientação da Michelin e usaram o pneu traseiro duro no forte calor tailandês. Pedrosa, no entanto, sofreu na primeira parte da corrida, já que teve dificuldade para aquecer os calçados.
 
“Este foi o principal problema. Nós fomos forçados a usar o traseiro duro e eu tive uma enorme, enorme desvantagem com isso, porque aquecer esse pneu foi quase impossível”, contou. “Precisei de cinco voltas e tive de fazer duas voltas extras antes do grid para limpar o pneu”, relatou.
 
“Mesmo assim, quando chequei [meus rivais], eles tinham muito mais grip naquele momento. Foi uma desvantagem enorme”, comentou.
 
Além da dificuldade para aquecer os pneus, Pedrosa explicou que um problema com a embreagem da RC213V e um incidente com Jack Miller também atrapalharam seu início de prova em Buriram.
 
“Eu perdi muitos segundos, talvez tenha perdido 4s em um par de voltas, mas aí eu estava de volta com eles antes da queda, então essa é a parte positiva”, avaliou. “Infelizmente, acabou numa queda, e acho que teria sido muito diferente se eu pudesse largar na frente”, ponderou.
 
“Mas a desvantagem foi enorme com o pneu traseiro no início da corrida e esse é o problema, porque ninguém se importa”, completou.