MotoGP

Márquez cai e acaba com invencibilidade no GP das Américas. Rins bate Rossi para vencer primeira na MotoGP

Não foi desta vez que Marc Márquez conseguiu um recorde de Giacomo Agostini. Isolado na liderança da corrida, o #93 errou sozinho e caiu, abandonando a disputa. Sempre roçando a primeira vitória na MotoGP, Álex Rins deu o bote em Valentino Rossi e ficou com o topo do pódio texano. Jack Miller completa o top-3

Grande Prêmio / JULIANA TESSER, de São Paulo / NATHALIA DE VIVO, de São Paulo
🏍️ Enquete: que nota você dá para o GP das Américas de MotoGP
🏍️ Confira a classificação da MotoGP após GP das Américas

Acabou o reinado de Marc Márquez nos Estados Unidos. Dono da pole, o #93 fez o esperado na primeira metade da corrida, mas, na décima das 20 voltas deste domingo (14), caiu sozinho e entregou a liderança na mão de Valentino Rossi. O italiano, então, teve de enfrentar Álex Rins, que aproveitou a velocidade superior da GSX-RR para dar à vitória para a Suzuki na MotoGP.
 
Considerando o domínio de Márquez, a vitória do espanhol era dada como certa nos Estados Unidos, mas o tombo mudou o cenário e acabou brindando os espectadores com uma bela corrida.
 
Em um fim de semana sólido, Rossi fez um bom combate, mas o déficit de velocidade da Yamaha era notório. Rins passou e até levou o troco, mas conseguiu abrir uma margem ligeiramente confortável. Na volta final, Valentino ainda recortou a diferença, mas Álex recebeu a bandeirada com 0s462 de margem para dar à Suzuki sua primeira vitória desde o GP da Grã-Bretanha de 2016.
Alex Rins venceu pela primeira vez na MotoGP (Foto: Reprodução)
Jack Miller conseguiu se manter como a melhor Ducati e recebeu a bandeirada no terceiro posto, 0s966 à frente de Andrea Dovizioso, que fez uma corrida de recuperação depois de uma classificação ruim.
 
Franco Morbidelli conseguiu seu melhor resultado na MotoGP e ficou como quinto posto, à frente de Danilo Petrucci e Fabio Quartararo. Depois da melhor classificação da KTM, Pol Espargaró colocou a marca austríaca no oitavo lugar, seguido por Francesco Bagnaia e Takaaki Nakagami.

Maverick Viñales, por sua vez, teve uma corrida para esquecer. O #12 queimou a largada, mas se enganou na hora de cumprir a pena que recebeu do Painel de Comissários. Depois de passar pela recém-criada volta longa, o espanhol teve de entrar nos boxes para um ride-through. O piloto da Yamaha, então, escalou até o 11º posto, à frente de Andrea Iannone.
 
Johann Zarco aparece na sequência, em 13º, 1s814 à frente de Miguel Oliveira. Tito Rabat completa a lista de pilotos na zona de pontuação.

O abandono de Márquez, aliás, provocou uma reviravolta na classificação da MotoGP. Dovizioso reassumiu a ponta com 54 pontos, três a mais que Rossi, o segundo colocado. Rins saltou para terceiro, à frente do #93. O top-4 está separado por nove pontos.
 
Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #14: O melhor piloto de MotoGP de todos os tempos



 Ouça no Spotify
 Ouça no iTunes
 Ouça no Android
 Ouça no playerFM

Saiba como foi o GP das Américas de MotoGP:
 
Numa cidade que tem uma média de 300 dias de sol por ano, a MotoGP precisaria ser muito azarada para encontrar condições diferentes das desse domingo. Com o céu limpo, os termômetros apontavam 19°C antes da largada, com o asfalto chegando a 38°C. O vento soprava a 11 km/h.
 
Pela sétima vez seguida em Austin, Marc Márquez tinha a pole-position, a 82ª da carreira ― 54ª só na MotoGP, só uma a menos que Valentino Rossi, o segundo na lista de pilotos com mais poles na classe rainha, atrás apenas de Mick Doohan (58).
 
O #46, aliás, tinha o segundo posto no grid, o melhor resultado do italiano nos Estados Unidos desde o segundo lugar na grelha de Laguna Seca em 2009. Cal Crutchlow aparece na sequência.
 
Melhor Ducati, Jack Miller aparece na sequência, seguido por Pol Espargaró, que conseguiu o melhor resultado da KTM na MotoGP. Maverick Viñales fecha a segunda fila.
 
Álex Rins colocou a Suzuki na sétima colocação, à frente de Danilo Petrucci, Fabio Quartararo. Jorge Lorenzo aparece só em 11º depois de um problema técnico na classificação, com Andrea Dovizioso largando em 13º.
 
Como sempre, os pilotos podem escolher entre os pneus macios, médios e duros, com os traseiros todos em versão assimétrica, com a borracha mais dura do lado direito.
 
Com a largada autorizada, Márquez conseguiu manter a ponta sem grandes problemas. Rossi largou bem e chegou a ameaçar o espanhol, mas ficou com o segundo posto. Crutchlow, o terceiro, já via a dupla de distanciar do pelotão.
O britânico da LCR, inclusive, já começava a sentir pressão de Jack Miller, o quarto colocado. Rins surgia em quinto, com Dovizioso sustentando o sexto posto do pelotão, ganhando sete posições na largada.
 
Com um giro completado em Austin, o titular da Honda bem que tenta se distanciar dos adversários, mas o titular da Yamaha não queria deixar, ficando colado no #93. Enquanto isso, Aleix Espargaró registrava a primeira queda da prova.
 
Mas o pentacampeão, se sentindo em casa no circuito norte-americano, não demorou muito para, enfim, conseguir desgarrar do restante dos pilotos. Restando 18 voltar para o final, já tinha um respiro de 0s954.
 
Quem vinha em segundo era Rossi, com Crutchlow, Miller, Rins, Dovizioso, Viñales, Morbidelli, Pol Espargaró e Petrucci completando a lista dos dez primeiros colocados. Em 14º vinha Lorenzo.
 
Então, surgiu a informação da direção de prova que Mir e Viñales tinham de cumprir um ride-through por terem queimado a largada.
 
Com Márquez já bastante distante dos rivais, a briga mais emocionante na pista era pela segunda colocação. Na abertura da quinta volta, na reta principal, Crutchlow tentou dar o bote em cima de Valentino, mas sem sucesso.
 
Então, um extremo golpe de má sorte atingiu o #35 da LCR. O britânico acabou perdendo a frente de sua moto e acabou indo ao chão, terminando sua prova de forma precoce.
Na hora de cumprir a punição, Viñales acabou se confundindo com o que era para fazer. Ao invés de realizar um ride-through, o espanhol da Yamaha acabou fazendo uma volta longa. Depois, fez a punição certa.
 
Com 13 voltas para o fim, Marc já tinha mais de 2s de vantagem, correndo uma prova solitária na ponta. Enquanto isso, Miller tentava se aproximar de Rossi, mas precisando lidar com a pressão perigosa de Rins.
 
Então, de forma totalmente impressionante, uma reviravolta foi vista em Austin. Quando estava isolado na ponta, Márquez caiu sozinho. O piloto até tentou voltar para a corrida, sem conseguir. Com isso, a primeira colocação caiu no colo de Rossi. 

Valentino, o novo líder da corrida, já tinha uma vantagem de 0s704 para o segundo colocado Rins. Miller completava o pódio do momento, com Morbidelli, Dovizioso, Petrucci, Quartararo, Pol Espargaró, Bagnaia e Iannone fechando o top-10.
 
O final de semana não era para a Honda. Com nove voltas para a bandeira quadriculada, era a vez de Lorenzo abandonar a disputa. Com problemas em sua moto, ele a estacionou e voltou para os boxes.
 
Na reta final, Álex começava a se aproximar de forma bastante ameaçadora o #46. O espanhol da Suzuki estava determinado em assumir a primeira colocação da corrida.
 
Enquanto isso, mais para trás do pelotão, Viñales tentava recuperar todo o terreno perdido com as punições. O espanhol primeiro deu o bote em cima de Rabat para ficar em 14º. Agora, era a vez de tentar ultrapassar Miguel Oliveira. O português, no entanto, estava segurando como podia o piloto da Yamaha.
 
Já na ponta do pelotão, Rins seguia sua missão de tentar barrar a quebra do jejum de vitórias de Rossi. O #42 estava em grande desempenho e bastante próximo do italiano, tentando enfim consumar a ultrapassagem.
 
Restavam cinco voltas para o encerramento da corrida, mas tudo estava em aberto nos Estados Unidos. Rossi, Rins e Miller completavam o pódio. Dovizioso e Morbidelli completavam o top-5.
 
Então, no giro seguinte, enfim Rins conseguiu o que tanto queria. Em um bote certeiro em cima do ‘Doutor’, o espanhol conseguiu tomar a primeira colocação do pelotão. Rossi chegou a dar o troco, mas errou e viu o adversário passá-lo novamente.
 
Com três voltas para o fim, Valentino encostou novamente no #42. O piloto da Yamaha tinha uma desvantagem de pouco mais de 0s4 para o titular da Suzuki.

A distância de Rins para Rossi apenas aumentava. Na abertura da última volta, o #42 estava com um respiro de 0s5 para o italiano, se aproximando cada vez mais de sua primeira vitória na MotoGP.
 
E mesmo tirando quase toda a desvantagem no final, não deu para Rossi. Com isso, Álex conquistou seu primeiro triunfo na classe rainha do Mundial. Valentino foi o segundo, com Miller completando o pódio.
 
Ganhando grande fôlego na classificação, Dovizioso encerrou a corrida na quarta colocação, com Morbidelli sendo o quinto. Petrucci, Quartararo, Pol Espargaró, Bagnaia e Nakagami fecharam o top-10 da prova. 

MotoGP 2019, GP das Américas, Austin, final:

1 A RINS Suzuki 41:45.499 20 voltas
2 V ROSSI Yamaha +0.462  
3 J MILLER Pramac Ducati +8.454  
4 A DOVIZIOSO Ducati +9.420  
5 F MORBIDELLI SIC Yamaha +18.021  
6 D PETRUCCI Ducati +21.476  
7 F QUARTARARO SIC Yamaha +26.111  
8 P ESPARGARÓ KTM +29.743  
9 F BAGNAIA Pramac Ducati +30.608  
10 T NAKAGAMI LCR Honda +31.011  
11 M VIÑALES Yamaha +34.077  
12 A IANNONE Aprilia Gresini +34.779  
13 J ZARCO KTM +42.458  
14 M OLIVEIRA Tech3 KTM +44.272  
15 T RABAT Avintia Ducati +44.623  
16 K ABRAHAM Avintia Ducati +44.740  
17 J MIR Suzuki +48.063  
18 H SYAHRIN Tech3 KTM +1:07.683  
  J LORENZO Honda NC  
  M MÁRQUEZ Honda NC  
  C CRUTCHLOW LCR Honda NC  
  A ESPARGARÓ Aprilia Gresini NC  
         
VMR M MÁRQUEZ Honda 2:04.277 159.6 km/h
REC M MÁRQUEZ Honda 2:03.575 160.6 km/h
MV M MÁRQUEZ Honda 2:02.135 162.4 km/h
         
  Condições do tempo PISTA SECA   ar: 21ºC | pista: 39ºC


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.