Indy

Ericsson põe expectativa alta na Indy por passagem pela F1, mas avisa: “Não posso subestimar a disputa”

Marcus Ericsson espera que a experiência de anos de F1 o coloque na briga pela ponta na Indy. O sueco, no entanto, sabe que terá desafios pela frente na nova categoria
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Marcus Ericsson (Foto: AFP)
Marcus Ericsson surpreendeu bastante gente ao fechar, no início da semana, com a Schmidt Peterson. Figurinha marcada no pelotão final da F1 nos últimos anos, o sueco já até fez o molde do banco e será parceiro de James Hinchcliffe em 2019. E a expectativa, pelo menos do piloto, é de chegar já brigando na Indy.
 
Marcus explicou que se sente pronto para o desafio pela experiência adquirida na F1 e admitiu que a pressão tende a ser maior por ser um nome já famoso no automobilismo.
 
"Acho que as expectativas em cima de mim serão altas, não esperaria nada menos que isso. Fiz quase 100 corridas na F1, cinco anos lá, acho que isso vai me ajudar bastante. Acho que as expectativas altas em cima de mim são justas, mas também trazem pressão, mas nada que eu não esteja acostumado. Fiquei sempre na F1 com essa pressão em cima de mim, então não tem nada de novo", falou ao site norte-americano 'Motorsport.com'.
Marcus Ericsson quer chegar em grande estilo na Indy (Foto: Sauber)
Ericsson deixou bem claro que, por mais que exista pressão e expectativa alta, não pode ignorar o fato da Indy ter um grid com pilotos mais experientes e também de boa qualidade.
 
"Espero que eu não demore para brigar na frente, mas também sei que vou precisar de muito trabalho duro porque é tudo novo para mim. A disputa na Indy é muito dura, não posso subestimá-la. Só que eu sei que, se fizer meu dever de casa, poderei me sair muito bem", seguiu.
 
Sem dizer que desistiu da F1, o sueco afirmou que quer fazer carreira na Indy e contou que conversou com Alexander Rossi e Fernando Alonso antes de assinar com a SPM.
 
"Consigo me ver bastante tempo na Indy. Quero me dar bem e fazer carreira, mas sem fechar portas. Não sei o que acontecerá no futuro, mas vejo isso como um projeto de longo prazo. Conheço Alex muito bem, ele é um amigo que tenho e conversamos no GP dos EUA semanas atrás. Ele só me disse coisas boas da Indy e me deu força se eu tivesse uma chance de vir para a categoria. A mesma coisa quando falei com o Fernando, só coisas boas sobre a Indy. Espero já testar antes do Natal", falou.