Indy

Dixon fala em “manter os pés no chão” em Sonoma, mas admite que “sorte de Portland pode virar”

Scott Dixon voltou a admitir que teve bastante sorte em Portland para chegar à decisão com 29 pontos de vantagem para Alexander Rossi. No entanto, o neozelandês sabe que a sorte pode virar em mais uma pista desfavorável para a Ganassi
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Scott Dixon (Foto: IndyCar)
Scott Dixon faz uma grande temporada na Indy. Muito rápido e estrategista, o neozelandês vem de uma prova em que teve bastante sorte. Scott não nega isso em momento algum, creditando o top-5 em Portland basicamente ao aleatório. Mas sabe que em Sonoma tudo pode mudar. 
 
Dixon voltou a admitir que teve bastante sorte em Portland, prova em que largou no meio do pelotão, se envolveu em um acidente na largada, tomou drive-through por acelerar muito nos boxes e, mesmo assim, ainda chegou em quinto por conta de bandeiras amarelas.
 
"Acho que fomos sortudos em Portland e nós precisávamos de um dia desses. Nós já estivemos do outro lado antes. Eu já cheguei inclusive a perder títulos assim. É horrível estar do outro lado e isso pode acontecer com a gente em Sonoma. Espero que não, mas existe essa chance", disse.
Scott Dixon quer pés no chão pelo penta (Foto: IndyCar)
O veterano, que busca o pentacampeonato, deixou claro que não há milagre a ser feito e que é hora de trabalhar junto com a Ganassi apenas para fazer o melhor em Sonoma, pista que dificilmente beneficiará o time e a própria Honda, que têm sofrido nos mistos em 2018.
 
"Vamos para lá tentar ter um carro rápido, classificar onde der e aí manter os pés no chão. É tudo que podemos fazer. Todos na equipes estão muito focados e trabalhando duro. Vamos manter a pegada das corridas anteriores e ver o que acontece", completou.
 
Apenas 29 pontos separam Dixon de Alexander Rossi com Sonoma e sua pontuação dobrada pela frente. Assim, basta basicamente que o americano chegue três posições à frente do neozelandês para ser campeão.