FE

Insatisfeito, Vergne avalia que formato da FE força “corridas sujas” e reclama: “Não escutam os pilotos”

Jean-Éric Vergne é o atual campeão da Fórmula E e o piloto mais vocal na oposição dos rumos que tomaram os formatos de classificação e de corrida na atual temporada do campeonato. Segundo ele, as corridas como são hoje abrem espaço para que os pilotos atinjam uns aos outros nas pistas - sobretudo nas mais estreitas

Grande Prêmio / Redação GP, do Rio de Janeiro
O atual campeão da Fórmula E está extremamente incomodado com os rumos que a categoria tomou nesta quinta temporada de auto-proclamada revolução. Depois de reclamações sobre o formato da classificação, agora Vergne afirmou que o novo formato de corrida causa o que chamou de "corridas sujas".
 
De acordo com Vergne, como o elemento de controle do gasto de energia diminuiu muito em relação ao que era necessário até a temporada passada, todos os pilotos passam a corrida com a possibilidade de despejar potência. Assim, em pistas tão estreitas, a única forma de ultrapassar é com colisões nos adversários. Conforme mais batidas aparecem, mais acidentes são causados e forçam safety-car e full-course yellow. Um círculo vicioso.
 
A falta de estratégia, principalmente em pistas estreitas como Hong Kong, Paris e Mônaco, traz o caos. Os pilotos ficam, na visão dele, sem muitas opções.
Jean-Éric Vergne (Foto: Reprodução/Twitter)
"Tem que ser entendido que se você trouxer de volta o formato de corridas com forte elemento de poupar energia, então você não vai ter contato, porque um cara pode ultrapassar o outro usando mais energia. A FE é isso", afirmou ao site inglês 'E-Racing365'.
 
"O Gen2 é [mais] largo e a pista é extremamente estreita. Como você pode ultrapassar? Não há forma de ultrapassar, então traz a corrida suja, gente batendo uns nos outros. Hoje não se poupa energia, então você anda em nível máximo e freia por dentro [das curvas] e o que acontece: Você acaba passando por cima do outro cara", avaliou. 
 
"Não tem contato tático, só contatos em geral. Isso é porque os pilotos passam dez voltas atrás de um cara que é 1s mais lento e, em algum momento, você não vai mais ficar atrás do cara que é incrivelmente lento", seguiu.
 
A reclamação de Vergne vai um pouco mais longe: os pilotos estão sendo deixados de fora das decisões sobre os rumos dos formatos das corridas.
 
"Ninguém nos escuta. Não somos bem-vindos porque não estão nos escutando. Eu tenho dito há seis anos que esse tipo de coisa vai acontecer, por causa do safety-car e do novo formato. É um bom formato. É bem feito, mas torna as corridas impossíveis. Eles realmente precisam fazer algo com isso, é urgente agora", encerrou. 
 
A FE segue a temporada neste próximo fim de semana, 23 de março, com o eP de Sanya.