FE
09/10/2018 13:41

Dillmann comemora vaga na NIO e vê grid da FE mais parelho que da F1: “Lá tem piloto pagante”

Tom Dillmann enfim conseguiu virar titular da Fórmula E para um começo de temporada. O piloto francês passou perto nos dois últimos anos e, quando teve oportunidade de ir à pista, andou forte. Agora, no lugar de Luca Filippi na NIO, projeta uma carreira forte na categoria dos bólidos elétricos
Warm Up / Redação GP, RIO DE JANEIRO
 Tom Dillmann e o carro da NIO (Foto: Reprodução/Twitter)
A NIO apresentou o NIO 004, seu novo carro, e a pintura renovada para a temporada 2018/19. De quebra, o esperado anúncio: Oliver Turvey segue na equipe, enquanto Tom Dillmann passa a ser o titular. O piloto francês apareceu na FE nas últimas duas temporadas, mas nunca realizando o campeonato completo. Agora terá essa chance como substituto de Luca Filippi.
 
Dillmann andou com a Venturi na reta final da temporada 2016/17 e também participou de três provas na 2017/18. Dillmann buscou o quarto lugar em Nova York, o melhor resultado na FE.
 
"Eu acho que as chances que tive, corridas espalhadas, tive um desempenho bom nesse grid complicado. Sempre senti que merecia. Não deu para mim na quarta temporada, mas sabia que teríamos chances fortes para mostrar o que eu poderia fazer na próxima temporada", disse.
 
"Estava em conversas com alguns times, porque notaram meu desempenho. Em Nova York, tivemos uma grande corrida que melhorou mais a situação. Há 200 pilotos que querem a FE, entre ex-F1, DTM, endurance... Não é fácil conseguir essa vaga, então estou orgulhoso de tê-la", seguiu.
Tom Dillmann e o carro da NIO (Foto: Reprodução/Twitter)
O piloto encheu o grid da FE de elogios, ressaltando inclusive que não há pilotos pagantes, diferente da F1.
 
"Essa é a categoria mais profissional fora da F1. Você tem todos estas fábricas, inclusive as quatro alemãs, que é algo que eu nunca vi. O nível de profissionalismo, pilotos de ponta, apenas pilotos de nível, que é algo que nem a F1 tem. Na F1 tem quem pague pela vaga, mas aqui não existe isso", afirmou.
 
"Você precisa lutar duro para conseguir um assento apenas no mérito. Não há patrocinador envolvido, o que é ótimo. É por isso que, para mim, a FE é uma forma de ter uma grande carreira", analisou.
 
Por fim, o agora piloto titular destacou o crescimento da NIO na última temporada e demonstrou expectativa de que a melhora siga para o ano vindouro.
 
"Estou confiante, porque deram um grande passou da temporada três para a quatro. Se dobrar os pontos de Oliver - simulando uma pontuação similar ao companheiro de equipe - estariam bem em cima. Não acho que a posição que a equipe terminou no campeonato reflete o nível onde estão. Acho que vão continuar essa tendência. É difícil dizer exatamente onde estamos. É difícil prever onde estaremos em Riad. Temos que esperar", encerrou.
 
A pré-temporada começa em 16 de outubro.