F3

Quase um ano depois de perder as pernas, Monger retoma carreira com terceiro lugar na estreia na F3 Inglesa em Oulton Park

Billy Monger está oficialmente de volta às pistas. O jovem inglês, de 18 anos, participou da primeira corrida num monoposto desde a amputação das duas pernas, em abril de 2017. E foi ao pódio
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Billy Monger no pódio (Foto: Reprodução/Twitter)

A temporada 2018 da F3 Inglesa começou na manhã deste sábado (31), na pista de Oulton Park. Linus Lundqvist foi quem ficou com a vitória, enquanto Nicolai Kjaegaard foi o segundo. Com todo o respeito aos dois, a grande história é o terceiro colocado: Billy Monger, na reestreia competitiva após ter as pernas amputadas em 2017.
 
Monger, de 18 anos, teve as pernas amputadas após um horrível acidente na etapa de Donington Park da F4 Inglesa, quase um ano atrás. Sem vaga garantida para toda a temporada da F3, o jovem tem essa etapa de Oulton Park para impressionar e conseguir algum tipo de mecenato que banque o ano inteiro. O carro de Monger é evidentemente adaptado para as necessidades de um piloto biamputado.
 
Após dias de testes coletivos, Billy cravou a quinta colocação no treino de classificação, 0s548 atrás do pole-position Clement Novalak. Foi a primeira participação competitiva em monopostos desde o acidente. 
Billy Monger no pódio (Foto: Reprodução/Twitter)

Na corrida, enquanto Lundqvist e Kjaegaard foram embora, Novalak e Krish Mahadik se tocaram ainda no começo. O incidente rendeu duas posições a Monger, que começou a se defender dos ataques do quarto colocado, Tom Gamble. Após muito tentar, Gamble acabou capitulando. Pódio assegurado para Billy.
 
A participação de Monger foi confirmada há alguns dias, quando a FIA concedeu permissão especial para a Carlin colocar um quarto carro na pista, um acima do que as regras permitem. O chassi padrão da F3 foi adaptado para Billy, que acelera e troca marchas em espaços reduzidos no volante. O freio é num pedal acionado pela perna prostética.
"RIDÍCULO E LEVIANO"

AJUDA DELIBERADA DA HAAS À FERRARI? NÃO FAZ SENTIDO ALGUM