F3

Dez meses após ter pernas amputadas, Monger volta a monoposto e testa carro da F3 Inglesa em Donington Park

Billy Monger sofreu um terrível acidente que obrigou a amputação de suas duas pernas há cerca de dez meses, em abril de 2017. E agora, pela primeira vez, Monger voltou a um cockpit de monoposto e foi à pista de Donington Park num teste da Carlin para a temporada da F3 Inglesa
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Billy Monger em teste na F3 Inglesa (Foto: LAT Images)

Billy Monger está de volta aos carros de corrida. Dez meses após ser vítima de um dos acidentes mais assustadores do automobilismo nos últimos anos, o jovem inglês participou de um teste da Carlin com carros da F3 Inglesa.
 
Na realidade, ainda no ano passado, Monger foi à pista num fusca da Fun Cup. O que Billy, de 18 anos, conseguiu fazer de novo nesta terça-feira (6) foi voltar a um monoposto. O carro da Carlin foi adaptado, com o acelerador embutido no volante. Os resultados do teste não foram informados - e além disso, num caso como esse, são o menos importante.
 
"Há alguns meses eu não me atrevia a pensar que isso seria possível e ainda há um longo caminho a percorrer, mas o objetivo está vendo a luz novamente", afirmou Monger por meio de sua conta no Twitter. "Obrigado, Carlin, por fazer com que esse dia seja possível", agradeceu.
 
Em março de 2017, Monger disputava uma etapa da F4 Inglesa em Donington Park e vinha em meio a uma briga por posições com alguns outros pilotos. Sem visão clara do que acontecia, acabou acertando em cheio o carro exatamente da Carlin, guiado por Patrik Pasma, que estava lento na pista após ter problemas. 
Billy Monger em teste na F3 Inglesa (Foto: Reprodução/Twitter)

A equipe médica levou das horas para conseguir extraí-lo do carro acidentado e levá-lo ao hospital de helicóptero, mas, no fim das contas, Monger precisou ter as duas pernas amputadas
 
Além do retorno aos monopostos, que é um plano de Monger, ele também participa de um projeto da academia La Filiere Frederic Sausset para ter uma time inteiramente formado por pilotos amputados nas 24 Horas de Le Mans de 2020.