F1
13/07/2018 09:14

Villeneuve alfineta, vê Williams “morta” e afirma que pôr Claire no comando foi “grande erro”

Jacques Villeneuve, campeão mundial de F1 em 1997, veio a público para, mais uma vez, deixar suas polêmicas opiniões. No alvo escolhido recentemente, o ex-piloto afirma que não vê Williams em recuperação e que a equipe já está “morta”
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Jacques Villeneuve (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Jacques Villeneuve disparou, novamente, seus comentários contra a Williams. Desta vez, o campeão mundial de 1997 pelo time afirmou que a equipe está “morta” e que colocar Claire Williams no comando do time foi um “grande erro”.
 
A última vitória da Williams foi em 2012, com Pastor Maldonado no GP da Espanha daquele ano. Desde então, apesar dos bons resultados em 2014 e 2015 - dois terceiros lugares - o time não encontra chances de lutar para estar no lugar mais alto do pódio.
 
Na temporada de 2018, a situação é ainda mais grave. Sergey Sirotkin é o único piloto do grid que ainda não marcou pontos e a única soma anotada pelo time de Grove veio do oitavo lugar de Lance Stroll, no GP do Azerbaijão. Ainda, um problema recente na asa traseira do FW41 obrigou a dupla de pilotos a largar do pit-lane na Inglaterra, e não tem sido o único obstáculo enfrentado pelo chassi nesta temporada. 
Stroll marcou os únicos pontos para a Williams, última colocada no Mundial de Construtores da temporada (Foto: Williams)
Para Villeneuve, agora comentarista da Sky Sports italiana, o time não tem recuperação.
 
“A equipe está morta. Eu não vejo nada. Simplesmente não há gestão. Havia uma alternativa na época: ou um herdeiro ou um herdeiro. E eles escolheram Claire em vez de Jonathan. Um grande erro, você só tem que olhar onde a equipe está hoje”, declarou o canadense em entrevista para o site ‘Autosport”.
 
"Quando se trata de um time como esse, você primeiro tem que olhar para o topo da pirâmide. O peixe começa a cheirar mal pela cabeça. Eles são completamente cegos quando se trata de perceber onde a equipe está", adicionou. 
 
Claire Williams assumiu o papel de chefe-adjunta da equipe em 2013, e nos anos seguintes conduziu o time aos bons resultados no Mundial de Construtores, mas sem conseguir muitos êxitos no pódio. Entretanto, foi responsável pela parceria com a Mercedes, que rendeu os motores utilizados até hoje e que foram importantes para a conquista de dois terceiros lugares recentemente. 
 
Porém, o ex-piloto dono de muitas polêmicas no paddock não enxerga a administração da Williams como um órgão eficiente e já chegou a declarar que Sirotkin tem sorte em estar na F1, uma vez que seu companheiro de equipe, Stroll, não tinha nada a lhe acrescentar de ensinamento. 
 
“Você tem que admitir que está ferrado", disse Villeneuve, que deixou Williams um ano depois de conquistar o título. "Eu não sei como isso pode se recuperar. Eu simplesmente não vejo isso. Se você tem dois pilotos sem experiência, isso não ajuda. Não em um time como esse", completou.
 
A Williams não quis responder os comentários de Villeneuve, mas admitiu que ainda estão passando por uma "avaliação completa de suas estruturas e processos internos”, que inclui a contratação e demissão de profissionais no time. Ainda assim, Claire Williams garante que problemas já foram diagnosticados e que todos trabalham para resolver as questões o mais rápido possível.
 
“Conforme você passa por essa análise, invariavelmente você sempre encontra outros incêndios que você tem que eliminar. Provavelmente foi um exercício muito útil dessa perspectiva, passar por esse processo e identificar todas as fraquezas. Isso nos dará uma oportunidade de realmente darmos grandes passos adiante", declarou Claire, durante o fim de semana em Silverstone. 
GP DA INGLATERRA EVIDENCIA DIVISÃO DA F1

COM ENORME DISPARIDADE DOS CARROS, PILOTOS FICAM DE MÃOS ATADAS