F1

Sem pódios na F1, Hülkenberg admite “querer romper maldição”, mas diz que conseguir em 2019 “não é certeza”

Com zero pódios em sua carreira na F1, Nico Hülkenberg já começa a pensar que talvez 2019 não quebre essa 'seca': com o que viu no GP da Austrália, o alemão diminuiu as expectativas da Renault para o ano

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
O desempenho da Renault não foi muito diferente na estreia da temporada 2019 do que já foi no ano passado: se Daniel Ricciardo quebrou sua asa dianteira e precisou abandonar a corrida, Nico Hülkenberg brigou pela vitória da 'F1 B' e acabou em sétimo lugar, atrás apenas de Kevin Magnussen entre os pilotos que não possuem um dos três carros mais fortes do grid.

Mas o alemão já diminuiu suas expectativas, ao analisar a corrida na Oceania, em relação a quebrar um tabu importante: nunca em sua carreira na F1 ele foi ao pódio. E, talvez, 2019 não seja o ano em que isso ocorra.

"Quero romper essa maldição, mais cedo do que tarde. Mas não podemos dizer com segurança que estaremos no pódio esse ano", lamentou, em entrevista à agência 'SID'.
Nico Hülkenberg (Foto: Renault)
Segundo ele, é mais fácil esperar isso no futuro próximo, a partir de 2020: "Estou tratando de construir uma equipe de primeira linha. Espero que estejamos prontoas em um ano ou dois."

"Já fizemos um bom avanço, houve muitas mudanças, mas agora queremos conseguir lentamente as recompensas", completou Hülkenberg.

O GP da Austrália marcou a 17ª vez que Hülk chegou em sétimo na F1 - tal colocação só perde para a sexta, na qual chegou 18 vezes.