F1

“Sacrificado, eu? Somos uma equipe”: Leclerc ameniza discurso após nova ordem, e Ferrari vê “maturidade”

Depois de se mostrar muito irritado dentro do carro e de cutucar a Ferrari pouco depois do GP da China de Fórmula 1, Charles Leclerc amenizou seu discurso sobre a ordem de equipe que teve de obedecer no último domingo: “Há uma explicação por trás de tudo isso e eu a entendo”. Mattia Binotto, chefe da Ferrari, classificou a atitude do monegasco como madura

Grande Prêmio / Redação GP, de Sumaré
OPINIÃO GP
Ferrari age mal e põe em xeque luta pelo título contra Mercedes quase perfeita


A Mercedes nadou de braçada, e Lewis Hamilton venceu com extrema facilidade o GP da China de Fórmula 1 no último domingo (14), mas foi a Ferrari quem esteve no centro das atenções por conta de mais uma ordem de equipe, a terceira apenas na temporada 2019. A escuderia de Maranello pediu a Charles Leclerc que abrisse passagem a Sebastian Vettel para que o alemão pudesse tentar alcançar as Mercedes de Valtteri Bottas e Hamilton, o que não aconteceu. Leclerc se mostrou muito insatisfeito dentro do carro e depois chegou a cutucar a equipe nas entrevistas depois da corrida. Mas antes de voltar para casa, adotou um discurso bem mais brando.
 
“Sacrificado? Eu? Não. Gostaria de ser claro com isso: somos uma equipe. Hoje tentamos fazer o melhor trabalho possível para todos, não somente para mim, mas tentamos”, declarou o monegasco de 21 anos em entrevista veiculada pelo jornal italiano ‘Corriere della Sera’.
 
Leclerc passou Vettel na largada e assumiu o terceiro lugar. No entanto, ao ver que o monegasco era ligeiramente mais lento que seu companheiro de equipe, que alegou via rádio que era mais rápido, a Ferrari pediu ao jovem que abrisse passagem: “Deixe Sebastian passar”, foi a mensagem.
Charles Leclerc cumpre ordem da Ferrari e deixa Sebastian Vettel passar na China (Foto: Reprodução)
Leclerc ainda tentou argumentar com a equipe quando já estava atrás de Vettel: “Estou perdendo muito tempo. Não sei se vocês querem saber ou não, mas só para vocês saberem”. Em resposta, ouviu via rádio: “Fizemos nosso trabalho, continue focado”. Na sequência, a corrida de Charles foi completamente prejudicada, muito também pelo momento em que a Ferrari escolheu para que o piloto fizesse seus pit-stops, o que determinou também a perda do quarto lugar, que ficou com Max Verstappen, da Red Bull.
 
Logo depois da corrida, Charles falou: “Fiz uma boa largada e, em seguida, o primeiro passo foi um pouco confuso, obviamente você provavelmente já viu na TV com Seb. Preciso entender a imagem completa e conversar com os engenheiros para entender a decisão”, complementou.
 
À emissora espanhola Movistar F1, Leclerc reconheceu que foi “muito frustrante dentro do carro”. E ainda aproveitou para mandar um recado à Ferrari. “No futuro, vamos ver quem é o líder da equipe. Hoje foi decepcionante”, lastimou.
 
“Tenho certeza de que há uma explicação para essa decisão e eu vou entender. Já passou. O fim de semana não foi tão bom quanto eu gostaria. Hoje não foi um bom dia, mas vamos voltar mais fortes”, continuou Charles.
 
Horas depois, o discurso de Leclerc foi bem mais ameno. “Sempre é uma situação muito difícil de administrar. Neste momento, senti uma frustração com o carro, ainda mais quando Sebastian me ultrapassou, quando vi que ele não estava se afastando e quando destruí meus pneus, mas há uma explicação por trás de tudo isso e eu a entendo”, disse o piloto ao ‘Corriere della Sera’.

 
Por sua vez, Mattia Binotto, chefe da Ferrari, elogiou a atitude de Leclerc ao lidar com o assunto. “Estou maravilhado por ele falar assim porque isso demonstra maturidade. Está claro que sua corrida ficou um pouco prejudicada e, se Charles está bravo ou chateado, ele tem o direito de estar assim, mas tentamos dar espaço a Seb para ver se ele poderia acompanhar as Mercedes. Naquela fase da corrida, tínhamos de tentar algo”, justificou.
 
O fato é que a Mercedes, com três dobradinhas nas três primeiras corridas da temporada 2019, ocupa a liderança do Mundial de Construtores com folga e soma 130 pontos, contra apenas 73 da Ferrari e 52 da Red Bull. No Mundial de Pilotos, Lewis Hamilton é o novo líder e tem 68 tentos, contra 62 de Bottas e 39 de Verstappen. Vettel aparece só em quarto, com 37, um a mais em relação a Leclerc.
 
 
A reação na imprensa italiana
 
O jornal ‘La Gazzetta dello Sport’ analisa a ordem de equipe na China como um gesto que serviu para ajudar apenas a Vettel. “Sebastian foi beneficiado pela decisão do pit-wall. Isso indubitavelmente vai criar mais discussões, em parte porque a estratégia praticamente obrigou Charles a perder uma posição, mas a verdade é que isso adquire um papel secundário com respeito a um tema mais importante: as Ferrari não são tão rápidas como as Mercedes, mais uma vez. Isso é um alerta muito sério para o Mundial”.
Charles Leclerc ouviu a terceira ordem de equipe em três corridas pela Ferrari (Foto: AFP)
Já o ‘Corriere della Sera’ tem um entendimento distinto de Leclerc em relação ao seu papel no último domingo em Xangai. Seria melhor se a Ferrari entendesse que contratou o piloto correto, e ele é Charles Leclerc. Maranello deveria tirar a braçadeira de capitão de Vettel e dar a Leclerc. O fato é que Charles é agora um piloto querido, é o preferido e o homem do futuro. Isso pode explicar com a intenção de proteger Vettel depois de três corridas que destacaram especialmente o talento de Leclerc”.
 
“A Ferrari sacrifica Charles. O problema da Ferrari é muito grave. A derrota da Ferrari na China dói, tem dimensões preocupantes, e os líderes da Ferrari deveriam refletir”, complementou.
 
“Em uma corrida perdida, com o ânimo de Leclerc em declínio, foi quase um escândalo pedir a ele que abrisse espaço para Vettel depois de uma grande largada do menino de vermelho, sem mencionar as decisões posteriores, que levaram a uma estratégia punitiva precisa para o monegasco, ao qual foi pedido para retardar a parada nos boxes para beneficiar, mais uma vez, a Sebastian. Leclerc demonstrou mais uma vez sua maturidade e equilíbrio ao comentar com tranquilidade os mesmos fatos que criaram intermináveis discussões nos bares de toda a Itália”, finalizou o periódico.