F1
14/09/2018 07:50

Ricciardo lamenta indefinição sobre futuro de Ocon, mas lembra: “Não é o primeiro que vai ficar sem vaga”

Daniel Ricciardo assinou com a Renault, que antes parecia ser o destino certo de Esteban Ocon para a próxima temporada. O australiano lembrou que não fechou com a equipe francesa para chatear o jovem piloto, que se encontra em situação difícil sobre o futuro na F1
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
 Daniel Ricciardo (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
A surpreendente ida de Daniel Ricciardo para a Renault na próxima temporada representou também o início de uma série de portas fechadas para Esteban Ocon visando 2019. O jovem francês, que tem a presença no grid no ano que vem cada vez mais ameaçada, desabafou e se disse decepcionado com a situação. Ricciardo compreende o momento, mas deixa claro que não se sente culpado e tampouco assinou com a Renault para deixar Esteban chateado.
 
“Sobre a situação de Ocon: não fiz ara chateá-lo, mas obviamente esse movimento o deixou nesta posição agora”, salientou o piloto, que liderou o primeiro treino livre do fim de semana em Singapura.
 
Em entrevista à agência de notícias France Presse, Ricciardo destacou a capacidade de Ocon, mas lembrou que o piloto não vai ser o primeiro com talento e fora do grid da F1.
Daniel Ricciardo também falou sobre a incerteza sobre o futuro de Esteban Ocon (Foto: Force India)
“Ele merece um volante, mas não diria que é o primeiro cara que fica sem vaga. Isso já aconteceu com outros pilotos de talento antes, mas se ele ficar sem vaga, será que esse vai ser o fim da sua carreira na F1? Não, não acho”, pontuou.
 
No ano passado, outro piloto vinculado à Mercedes, como Ocon, ficou sem vaga no Mundial, mesmo depois de ter conquistado bons resultados por equipes nanicas, como Manor e Sauber. Pascal Wehrlein não conseguiu um lugar para correr neste ano e, graças ao apoio recebido pela montadora alemã, regressou ao DTM, categoria onde tornou-se o mais jovem campeão, em 2015.
 
Ocon começou a ver ruir suas perspectivas para a próxima temporada quando a Force India foi comprada pelo consórcio liderado por Lawrence Stroll, pai de Lance Stroll, que é apontado no paddock como futuro titular da equipe de Silverstone ao lado de Sergio Pérez, que ainda não anunciou oficialmente sua permanência. 
 
Na sequência, Ricciardo assinou com a Renault. E dias após ter ido à McLaren para fazer o molde do assento no cockpit, Esteban sofreu mais um duro golpe da sorte ao ver Carlos Sainz e Lando Norris fecharem com a equipe de Woking. As negativas de Haas e Toro Rosso reduzem ainda mais as possibilidades do talentoso francês. 
 
Uma das suas últimas esperanças é a Williams, que também é parceira da Mercedes. Mas o time britânico, com a iminente perda do patrocínio trazido pela família Stroll, tende a contratar pilotos pagantes para ocupar as duas vagas para a próxima temporada e trazer o aporte financeiro necessário para 2019.