F1

Red Bull e Honda mandam indireta a Alonso após pódio no GP da Austrália: “Agora podemos lutar”

No GP da Austrália de 2018, Fernando Alonso resistiu à pressão de Max Verstappen e cruzou a linha de chegada justamente à frente do holandês e disparou pelo rádio na primeira corrida da McLaren com o motor Renault, depois de anos de calvário com a Honda. A fábrica japonesa, que se uniu à Red Bull neste ano, faturou seu primeiro pódio na era híbrida no domingo

Grande Prêmio / Redação GP, de Sumaré
Do outro lado do mundo, Fernando Alonso ainda saboreava a vitória nas 1000 Milhas de Sebring, sexta etapa da supertemporada 2018/19 do WEC com a Toyota, enquanto era lembrado na F1 no GP da Austrália no fim de semana. Especificamente por Red Bull e pela Honda, esta grande alvo de críticas do espanhol na segunda passagem da fábrica japonesa com a McLaren, entre 2015 e 2017. Às voltas com a falta de confiabilidade e potência da unidade motriz construída em Sakura, Alonso entrou em guerra contra a Honda e foi ponto determinante para que a equipe de Woking encerrasse a parceria para ser cliente da Renault a partir do ano passado.
 
Alonso já não está mais na F1, mas foi alvo de uma indireta tanto da Red Bull como da Honda nas redes sociais depois de Max Verstappen cruzar a linha de chegada em terceiro lugar no GP da Austrália do último domingo (17), na abertura da temporada 2019 da F1. Com a nova parceira taurina, a Honda faturou seu primeiro pódio desde 2008, quando Rubens Barrichello foi o terceiro colocado no GP da Inglaterra daquele ano.
 
No GP da Austrália do ano passado, o primeiro da McLaren depois da ruptura com a Honda, Alonso lutou por 26 voltas para se sustentar à frente da Red Bull de Verstappen e terminou a corrida em Melbourne na quinta posição. Um resultado bastante alentador para a McLaren e que levou o bicampeão a bradar, via rádio: “Agora podemos lutar”.
Ao lado da Red Bull, a Honda festeja seu primeiro pódio na era híbrida da F1 (Foto: Red Bull Content Pool)
Quase um ano depois, a Honda conseguiu fechar no pódio uma estreia muito animadora com a Red Bull, sobretudo com Verstappen. O holandês fez um fim de semana muito sólido, com o quarto lugar no grid de largada e, com uma performance muito superior à Ferrari de Sebastian Vettel, não teve dificuldades para superar o alemão. De quebra, ainda pressionou Lewis Hamilton na fase final da corrida, mas não conseguiu passar a Mercedes #44. 
 
Ainda assim, o terceiro lugar foi muito comemorado tanto por Red Bull quanto por Honda.
 
Pouco depois do fim da prova, a Red Bull publicou na sua conta no Twitter: “Agora podemos lutar”. A postagem foi retuitada pela Honda Racing logo em seguida.

 
Toyoharu Tanabe, diretor-técnico da Honda para o projeto da F1, festejou não apenas o pódio logrado por Verstappen em Melbourne, mas também o ponto conquistado com o décimo lugar de Daniil Kvyat, da Toro Rosso, que lutou para superar a pressão exercida por Pierre Gasly, da Red Bull, nas voltas finais da corrida.
 
“É um bom começo. Foi a primeira corrida da temporada e nossa primeira com a Red Bull, então foi encorajador terminar em terceiro. É a primeira vez da Honda no pódio desde 2008 e a primeira vez na era híbrida. Nossos agradecimentos a Max pela fantástica pilotagem e pela equipe por todo o suporte a ele com uma estratégia excelente. Este é um bom primeiro passo, mas precisamos melhorar a performance da nossa unidade de potência se quisermos bater nossos rivais mais próximos”, disse.
 
“Assim como a Toro Rosso, eles também fizeram um bom trabalho, com Daniil marcando o ponto pelo décimo lugar. Foi um grande retorno para ele depois de um ano longe do esporte. E isso mostra que o carro tem um bom potencial. No geral, foi um começo positivo, mas não estamos onde queremos estar. Quero agradecer a toda a equipe que trabalha no nosso projeto no Japão e o Reino Unido, sabendo que eles vão trabalhar duro para nos ajudar a melhorar”, finalizou Tanabe-san.