F1

Otimista para 2021, chefe da Mercedes se mostra favorável ao teto de custos “se for do interesse de todos”

Toto Wolff, chefe da Mercedes, se disse otimista quanto a um pacote satisfatório de regras para 2021. O austríaco, inclusive, afirmou ser favorável a um limite de gastos, desde que isso atenda às necessidades de todas as equipes do grid da F1

GRANDE PRÊMIO / Redação GP, de Curitiba
Chefão da Mercedes, Toto Wolff lançou uma visão mais positiva sobre a capacidade de a F1 avançar com relação ao pacote de mudanças para 2021 e até se mostrou favorável à introdução de um limite de gastos. Na próxima terça-feira, dia 26, o Liberty Media, detentor dos direitos comerciais da categoria, e a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) vão apresentar às equipes propostas abrangentes para a alteração do regulamento, em uma reunião em Londres, na Inglaterra. Entre os principais pontos de discussão, estão uma nova distribuição da receita, um possível teto orçamentário, além de regras técnicas para tornar as corridas mais atrativas.
 
O encontro acontece em um momento em que as equipes vêm cobrando decisões dos homens que comandam a maior das categorias. Os times exigem clareza quanto às mudanças e uma direção para o esporte. "Sinto que esse é o momento em que todos estão interessados em entender o que vai acontecer em 2021", afirmou o dirigente austríaco.
Toto Wolff vê com bons olhos o limite de gastos (Foto: AFP)
Inicialmente, a esquadra prateada se mostrou reticente à adoção de um teto orçamentário na F1, mas Wolff insistiu que medidas de redução de custos são sempre bem-vindas, especialmente se for do interesse de todos. "A Mercedes certamente está interessada em ter um teto de custo implementado, em níveis corretos e que faça sentido para todos."
 
"Consiga engajar os grandes times de uma maneira adequada e as pequenas equipes vão ficar satisfeitas, e não vão deixar o grid com custos cada vez maiores a cada ano. O regulamento é outro bloco de discussão e não pode passar muito de junho, então vamos ver o que acontece na próxima semana, mas estou otimista", concluiu.