F1

Glock relembra acusações após GP do Brasil de 2008 e revela ameaças: “Diziam que merecia levar um tiro”

Timo Glock revelou que sofreu muito após o GP do Brasil de 2008. Além de ter sofrido acusações da imprensa, em que diziam que deixou Lewis Hamilton passar de propósito, afirmou que até mesmo ameaças chegou a receber
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 O GP do Brasil de 2008 (Foto: Reprodução)
Já se passaram dez anos, mas Timo Glock ainda tem o GP do Brasil de 2008 muito vivo em sua memória. Inclusive, comentou em entrevista recente que sofreu de acusações e até ameaças por dias após a corrida.
 
A disputa de Interlagos daquele ano era a decisão do campeonato, com Lewis Hamilton e Felipe Massa como postulantes ao título. Entretanto, foi o alemão quem ganhou um papel principal nas voltas finais, quando a chuva atingiu o circuito.
 
Enquanto a maior parte do pelotão foi aos boxes trocar os pneus, a Toyota manteve sua dupla na pista para ganhar posições. Com isso, pulou para frente do inglês, que aparecia em sexto – ele precisava terminar no mínimo em quinto para ser campeão.
 
Com três voltas para o fim, a chuva apertou e Glock começou a sofrer na pista, sendo ultrapassado por Hamilton e Sebastian Vettel. Massa venceu a prova e ficou com o título por alguns segundos, mas logo passou para as mãos de Lewis. O pódio foi bastante emocionante para o titular da Ferrari.
Felipe Massa no pódio (Foto: Reprodução)
Depois da corrida, então, Timo foi acusado de conspiração e até mesmo recebeu ameaças. “Houve alguns jornalistas que foram muito agressivos, especialmente os italianos, apontando dedos e dizendo que o que aconteceu eu fiz de propósito e que deve ter sido planejado antes da corrida. ‘Quanto a Mercedes [fornecedora de motores da McLaren] e Lewis te pagaram?’”, falou em entrevista a ‘ESPN’.
 
“Foi uma situação que nunca imaginei estar. Não podia acreditar que as pessoas realmente acreditavam nesse pensamento estúpido de que de alguma maneira eu planejei isso com Lewis antes da corrida. Como poderíamos saber antes da corrida que o tempo mudaria tanto?”, continuou.
 
“Enviaram até mesmo cartas para minha família, para a casa de meus pais sobre como eu fiz aquilo e como eu deveria levar um tiro, que eu não deveria estar mais no esporte. Não conseguia acreditar como as pessoas podem ser ruins, foi bastante extremo”, completou.

O Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 acontece este ano nos dias 9, 10 e 11 de novembro, no autódromo de Interlagos. Os ingressos para a corrida estão disponíveis no único site oficial do evento: www.gpbrasil.com.br.