F1

De volta à F1, Kvyat conta como venceu batalha contra Gasly na Austrália: “Acelerei como um animal”

Daniil Kvyat foi um dos destaques do GP da Austrália do último domingo (17). De volta à F1 depois de 17 meses, o russo segurou a pressão exercida por Pierre Gasly, da Red Bull que um dia já pilotou, e finalizou em décimo lugar: “Um dos pontos mais difíceis que conquistei”, disse o ‘Torpedo’

Grande Prêmio / Redação GP, de Sumaré
O regresso de Daniil Kvyat ao Mundial de F1 foi marcante. O russo, que antes do GP da Austrália havia feito sua última corrida em 22 de outubro de 2017, no GP dos Estados Unidos, voltou à Toro Rosso de forma combativa e foi um dos destaques do último domingo (17), em Melbourne
 
Depois de ter largado em 15º, o ‘Torpedo’ cresceu muito ao longo da corrida e se destacou por conseguir defender a décima posição, durante 20 voltas, no duelo contra Pierre Gasly. Diferente de Kvyat, que fez seu último turno na prova com pneus duros, o novo piloto da Red Bull estava com os pneus macios, os mais rápidos da corrida.
Daniil Kvyat segurou 'no braço' a Red Bull de Pierre Gasly nas voltas finais na Austrália (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
“Não foi fácil, foi um dos pontos mais difíceis que conquistei, gostaria de dizer, mas ao mesmo tempo foi de muita satisfação porque nós seguramos um carro mais rápido atrás de nós durante toda a corrida”, destacou Kvyat, em entrevista coletiva, pouco depois da prova em Melbourne.
 
“Foi muito encorajador para nós enquanto equipe. Nós estamos alcançando muitas equipes à nossa frente também. Acho que há muitas coisas positivas para tirar desta corrida”, comemorou o piloto, que exaltou seu espírito de luta.
 
“Minha corrida foi simplesmente de luta da primeira à última volta. Lutei constantemente seja na frente ou atrás, defendendo. Foi uma corrida muito exigente, porém, como disse, aconteceu um pouquinho de tudo”, explicou.
 
Kvyat recordou que chegou a temer pela própria corrida depois de tentar ultrapassar Lance Stroll, que finalizou em nono lugar com a Racing Point, ao cometer um erro na curva 3 do circuito australiano.
 
“Foi uma manobra tardia. Estava me aproximando muito rápido. Tentei travar a roda dianteira por dentro e foi muito frustrante. Achei que a corrida estivesse perdida, mas eles me disseram que ainda tinha alguma distância”, lembrou.
 
“Era difícil ficar tranquilo, mas depois acelerei como um animal nas voltas seguintes e voltei ao ritmo depois de oito ou nove voltas”, completou o décimo colocado do GP da Austrália.