F1

Chefe da Williams fala em “choque enorme” com baixa performance em 2018. Mas exalta “equipe unida”

Claire Williams contou que tinha grandes expectativas por uma melhora na performance da equipe britânica nesta temporada, mas que os testes de inverno de Barcelona revelaram a dura realidade. A dirigente destacou a união em Grove mesmo em tempos bastante difíceis
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Sergey Sirotkin (Foto: Williams)

A Williams está muito perto de concretizar sua pior posição da história no Mundial de Construtores. A escuderia britânica, que viveu seus momentos de decadência no início da década e se reergueu a partir de 2014, seguindo por dois anos como a terceira força da F1, terminou 2016 e 2017 em quinto lugar, mas despencou novamente nesta temporada e somou apenas míseros sete pontos e está em décimo. A Toro Rosso, nona colocada no campeonato, tem 33 tentos.
 
Claire Williams, chefe-adjunta da equipe que teve o pai, Frank Williams, como um dos fundadores, tinha grandes expectativas ao ver o desenvolvimento do carro em Grove. Mas logo que o FW41 foi à pista com Lance Stroll e Sergey Sirotkin, a esperança deu lugar a uma realidade muito dura: o carro jamais mostrou boa performance nem nos testes de inverno, em Barcelona, nem ao longo da temporada.
 
“Na verdade, foi um choque enorme”, revelou Claire em entrevista ao podcast oficial da F1.
 
“Tinha plena expectativa de ter um ritmo muito melhor neste ano. Acho que todos nós, e provavelmente muitos dos nossos fãs ao redor do mundo pensaram que estaríamos com um carro muito mais rápido”, contou a dirigente britânica. 
Claire Williams não esperava que sua equipe fosse tão mal em 2018 (Foto: Divulgação/Twitter)
“Essa era a expectativa. Então, quando nós tivemos de testar, não precisamos esperar até a Austrália para entender que esse não era o caso”, salientou.
 
Entretanto, mesmo em meio a tantas dificuldades — que tendem a se agravar no aspecto financeiro com a saída da família Stroll e também da Martini, a patrocinadora principal, ao fim da temporada —, Claire ressaltou a importância de ter uma equipe unida para enfrentar a tormenta.
 
“Uma das coisas que eu tenho mais orgulho neste ano é que a equipe se manteve muito unida. Nós poderíamos ter implodido, nós poderíamos todos ter começado a brigar entre nós, poderíamos ter demitido metade do pessoal, mas não é assim que eu queria que acontecesse”, disse a filha de Frank Williams.
 
E o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 acontece este ano nos dias 9, 10 e 11 de novembro, no autódromo de Interlagos. Os ingressos para a corrida estão disponíveis no único site oficial do evento: www.gpbrasil.com.br