F1

Chefe da Red Bull diz que aposta em Gasly tem relação com “potencial maior” que Sainz

Christian Horner defendeu a escolha da Red Bull por Pierre Gasly, que estreou mal na equipe no GP da Austrália do último domingo (17), na comparação com Carlos Sainz, que deixou a Toro Rosso em 2017. Para ele, o francês tem mais potencial do que o espanhol

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
A má estreia de Pierre Gasly com a Red Bull, quando terminou apenas em 11° o GP da Austrália e ainda ficou preso atrás de Daniil Kvyat, da Toro Rosso (ou seja, da 'equipe B' da principal), pode não ter deixado a melhor das impressões, mas seus chefes insistem que foi o francês foi a escolha certa.

Christian Horner, por exemplo, foi questionado sobre Carlos Sainz, que era do programa da Red Bull mas, há um ano e meio, foi emprestado para a Renault quando estava na Toro Rosso e, em seguida, acabou acertando com a McLaren, encerrando sua ligação com os austríacos.
Pierre Gasly (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
O chefe, porém, está seguro de sua escolha: "A F1 é muito dura e nós decidimos que a melhor dupla possível entre os pilotos que tínhamos disponíveira era Gasly e (Max) Verstappen."

"Carlos é um piloto talentoso e estou feliz de que tenha oportunidade de continuar sua carreira na F1 com a McLaren, mas sentimos que Pierre tinha mais potencial para nós", completou o dirigente.

Gasly está em sua segunda temporada como titular na F1 - em 2017, foi o substituto de Sainz na Toro Rosso. Em 2018 ficou em 15°, com 29 pontos, após zerar nas cinco corridas que fez um ano antes. Já Sainz vai para sua quinta temporada - e com resultados melhores: foi 12° em 2016 com o time italiano, nono quando correu por ela e pela Renault e vem de um 10° lugar em 2018.