F1

Chefe da Mercedes surpreende e diz apoiar teto orçamentário na F1, mas sem “reestruturar tudo”

Não são só equipes médias e independentes que apoiam o controle de gastos na Fórmula 1. Toto Wolff, chefe da Mercedes, manifestou interesse pelo teto orçamentário, mas com a ressalta de que não é necessário ser radical
Warm Up / Redação GP, de Berlim
 Lewis Hamilton (Foto: Mercedes)
A ideia do teto orçamentário na Fórmula 1 parece estar caindo no gosto de Toto Wolff. O chefe da Mercedes manifestou interesse na medida pela primeira vez, se unindo a um grupo formado principalmente por representantes de equipes medianas ou independentes. Wolff vê o controle de gastos, estudado pelo Liberty Media para os próximos anos, como uma forma de tornar a F1 mais “sensata” no futuro.
 
“A gente precisa implementar o teto orçamentário”, disse Wolff. “Red Bull, Ferrari e Mercedes estão gastando mais do que os outros até aqui e precisamos conter isso com um teto monitorado e razoável”, seguiu.
 
“Algo que nos permita reorganizar a estrutura, mas não reestruturar tudo. Precisamos de um caminho sensato que nos permita, ao longo dos próximos cinco anos, chegar a um ponto mais baixo [de gastos]”, continuou.
Toto Wolff vê o teto orçamentário com bons olhos (Foto: AFP)
O teto orçamentário é uma forma de controlar o poder de investimento das gigantes da F1, algo que teoricamente joga contra a própria Mercedes – o apoio de fábrica seria ao menos parcialmente neutralizado. Por mais que Wolff fale em tom negativo sobre os altos custos da equipe prateada, é esse nível de investimento que permite o domínio visto na F1 nos últimos cinco anos.
 
Os passos do Liberty Media, grupo que gere a F1, ainda são lentos no assunto. Depois de um princípio de queda de braço com Ferrari e a própria Mercedes no começo do ano, a empresa começou a considerar alternativas. Martin Whitmarsh, ex-chefe da McLaren, foi contratado para estudar meios de uso do limite de gastos. A impressão inicial é de que a gerencia da categoria vai optar por uma abordagem mais lenta – o plano inicial, se consumado, indica uma implementação em duas fases nos anos de 2021 e 2023.

A próxima etapa da Fórmula 1 é o Grande Prêmio do Brasil, que acontece este ano nos dias 9, 10 e 11 de novembro, no autódromo de Interlagos. Os ingressos para a corrida estão disponíveis no único site oficial do evento: www.gpbrasil.com.br