Endurance

FIA apresenta princípios de novo regulamento para substituir LMP1 por conceito de hipercarros no WEC

A ideia é que mais detalhes sejam divulgados na sexta-feira que vai anteceder a largada das 24 Horas de Le Mans, na semana que vem. Mas a FIA apresentou, na reunião do Conselho Mundial do Esporte a Motor nas Filipinas, um projeto para reduzir para um quarto o orçamento gasto pelas marcas envolvidas na LMP1 com um novo conceito a ser adotado para a temporada 2020/21 do WEC
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
 O #7 da Toyota, pole em Spa (Foto: Reprodução/Twitter)

Na esteira de uma série de decisões divulgadas nesta quinta-feira (7), o Conselho Mundial da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) anunciou em Manila, nas Filipinas, os princípios de um novo regulamento para o Mundial de Endurance a partir da temporada 2020/21. O principal objetivo, no sentido de baratear para um quarto os custos das marcas envolvidas na classe mais importante do grid, a LMP1, é oferecer “liberdade de design baseada em conceito de hipercarros”, diz a entidade, fazendo avançar a proposta dos GT Protótipos (GTP).
 
Foi apenas uma ‘pincelada’ no que está por vir. A expectativa é que mais detalhes sejam divulgados na próxima sexta-feira, na véspera da largada das 24 Horas de Le Mans, quando o Automóvel Clube do Oeste (ACO), que atuou em conjunto com a FIA para a formulação do novo regulamento, vai realizar uma entrevista coletiva em Sarthe.
O Mundial de Endurance deu o pontapé inicial para a elaboração de novas regras para 2020/21 (Foto: Toyota)
A ideia é que o regulamento possa permitir que as fábricas deem aos seus protótipos a sua cara, saindo um pouco do visual padronizado adotado pela última geração na LMP1. O principal objetivo, contudo, está na redução de custos, tudo para atrair novas fábricas ao grid na classe rainha do Mundial de Endurance. Atualmente, depois da debandada de marcas como Peugeot, Audi e Porsche, a única montadora envolvida na LMP1 é a Toyota.
 
A mudança no regulamento teve a participação de várias montadoras. Além da Toyota, Ferrari, McLaren, Aston Martin e Ford, informa a revista britânica ‘Autosport’, fizeram parte das reuniões que resultaram na formulação das novas regras.
 
Há ainda um plano para “encorajar a participação de mais mulheres no WEC”, que também foi aprovado no Conselho Mundial. Também a respeito, mais detalhes vão ser divulgados na próxima sexta-feira em Le Mans.
 
Outra alteração diz respeito à etapa de Sebring, que vai ser realizada em 15 de março de 2019. A prova na Flórida, que vai acontecer um dia antes das tradicionais 12 Horas de Sebring — esta válida pelo calendário do SportsCar —, vai ter 1000 milhas de duração e não mais 1.500, como foi divulgada no lançamento do calendário para a temporada 2018/19 do Mundial de Endurance.
CONFLITO À VISTA?

NOVA EQUIPE DE LORENZO, HONDA É TODA MOLDADA PARA MÁRQUEZ