Endurance

Após festival de punições, Alonso/Buemi coloca Toyota #8 na pole das 6 Horas de Fuji

Fernando Alonso e Sébastien Buemi ficaram com a pole na pista originalmente pelo sistema de tempos médios, mas, quando Buemi teve sua melhor volta cancelada por infringir os limites da pista, o #8 caiu para trás do #7, que estava na pista com José María López e Kamui Kobayashi. Entretanto, o argentino desrespeitou a velocidade máxima do pit-lane e teve a participação desclassificada. Agora, o #8 fica na pole e o #7 vai para o fim do grid
Warm Up / Redação GP, RIO DE JANEIRO
 O Toyota #8 de Fernando Alonso e Sébastien Buemi (Foto: WEC)
A definição da pole-position para as 6 Horas de Fuji pulou de mão em mão e terminou com o Toyota #8 na madrugada deste sábado (13). Fernando Alonso e Sébastien Buemi ficaram com a pole, perderam e depois de mais de uma hora recuperaram outra vez. No fim, seguiram a tendência de dominar o campeonato do WEC na temporada 2018/19 ao lado de Kazuki Nakajima.
 
Alonso foi quem ponteou a classificação no primeiro grupo que saiu à pista, com José María López 0s234 atrás. No segundo grupo Kamui Kobayashi foi um pouco mais rápido que Buemi, mas não o suficiente para tirar toda a desvantagem que o #7 tinha para o #8. Só que o piloto suíço teve sua volta cancelada por infringir os limites da pista enquanto fazia a tomada de tempo. Com a perda do giro mais rápido, jogou o tempo somado do #8 para baixo e deu a pole para López, Kobayashi e ainda Mike Conway, que não participou do treino.
 
Por pouco tempo. Os comissários da prova concluíram que López, quando voltou ao pit-lane após o fim de suas voltas, passou em velocidade 8,7 km/h acima dos 60 km/h permitidos na categoria. A punição, que ainda veio acompanhada de uma multa equivalente a quase R$ 3.900, cancelou as voltas do argentino e jogou o #7 para o fim do grid.
O Toyota #8 de Fernando Alonso e Sébastien Buemi (Foto: WEC)
O segundo lugar foi herdado por André Lotterer e Neel Jani no Rebellion #1, que conta também com Bruno Senna. Com as mudanças recentes na Equivalência de Tecnologia - que mantém obrigatoriamente a Toyota, com seu híbrido, seguramente à frente dos outros LMP1, todos não-híbridos -, Lotterer conseguiu se aproximar de Alonso e marcar uma melhor volta apenas 0s8 atrás do espanhol. O outro Rebellion, classificado por Gustavo Menezes e Thomas Laurent, parte em terceiro.
 
Na quarta e quinta colocações, uma briga direta entre as SMP. Enquanto Jenson Button sobrou para Stéphane Sarrazin no primeiro grupo para colocar o #11 em vantagem sobre o #17, Egor Orudhzev deu o troco contra Vitaly Petrov e definiu que o carro #17 larga em quarto, enquanto o #11 parte em quinto. 
O DragonSpeed #31 de Anthony Davidson e Roberto González (Foto: WEC)
Na classe LMP2, Anthony Davidson e Roberto González colocaram o DragonSpeed #31 de pneus Michelin na ponta com o tempo médio de 1min28s906 e uma vantagem de mais de 0s5 para Jazeman Jaafar e Nabil Jefri, no Jackie Chan DC #37 de pneus Dunlop. O terceiro posto da classe ficou com outro Jackie Chan DC de Dunlop: o #38, classificado por Stéphane Richelmi e Gabriel Aubry.
 
Entre os GTE Pro, a pole no Japão ficou com o Aston Martin #95 da dupla dinamarquesa Nicki Thiim e Marco Sorensen, que cheharam ao tempo médio de 1min36s093. Tom Blomqvist e António Félix da Costa colocaram o BMW #82 no segundo posto, enquanto Alex Lynn e Maxime Martin classificaram o Aston Martin #97 no terceiro posto.
Dempsey-Proton #88, de Matteo Cairoli e Satoshi Hashino (Foto: WEC)
Por fim, na GTE Am, Matteo Cairoli e Satoshi Hashino, estreante no WEC, puseram o Dempsey-Proton #88 na pole seguidos pelo Aston Martin #98 de Paul Dalla Lana e Matthias Lauda e por outro Dempsey-Proton, o #77, de Christian Ried e Matt Campbell.