DTM
17/06/2017 11:39

Na base da estratégia, Di Resta reverte domínio da Audi e leva Mercedes à vitória na corrida 1 em Hungaroring

Carros da Audi dominaram os treinos classificatórios, mas não conseguiram repetir o mesmo desempenho durante a prova. Brasileiro Augusto Farfus largou em sexto, mas levou azar, foi tocado e terminou em 12º
Warm Up / ÍCARO LEAL, de Jacareí
 Paul di Resta surpreendeu a Audi na base da estratégia e venceu neste sábado (Foto: Mercedes DTM/Twitter)

Apesar do domínio da Audi nos treinos classificatórios, a quinta prova da temporada da DTM deste sábado (17), na Hungria, não foi do jeito que a marca de Ingolstadt esperava. O vencedor foi o escocês Paul Di Resta, da Mercedes, que na base da estratégia ganhou preciosas posições durante a prova e cruzou a linha de chegada em primeiro após 34 voltas. Do mesmo modo, o alemão Timo Glock, da BMW, chegou em segundo lugar, seguido de Bruno Spengler, também da BMW.
 
Os carros da Audi largaram nas cinco primeiras posições, liderados pelo pole, René Rast, mas não conseguiram se manter na frente. O melhor deles foi Mike Rockenfeller em quarto lugar. Mattias Ekström e Rast, que chegaram a liderar a prova fecharam em quinto e sexto, respectivamente. Jamie Green foi o sétimo colocado. Gary Paffett cruzou a linha de chegada em oitavo lugar, seguido de Marco Wittmann, em nono. Edoardo Mortara fechou a lista dos dez primeiros colocados da prova.
 
O brasileiro Augusto Farfus teve um bom início de prova e garantiu um bom sexto lugar no grid de largada, mas levou azar, sofreu um toque e ficou apenas com o 12º lugar da prova. Outro que também não teve uma boa corrida foi o líder do campeonato Lucas Auer, que terminou a prova na 13ª posição. A corrida 2 acontece neste domingo (18).
Festa do pódio em Hungaroring com Di Resta a comemorar a vitória (Foto: Mercedes DTM/Twitter)

Saiba como foi a corrida 1 do DTM em Hungaroring

Antes da largada para a quinta prova da DTM em Hungaroring, parecia que o domínio da Audi seria implacável. Isso porque a montadora conseguiu posicionar seus carros entre os cinco primeiros lugares do grid deixando seus rivais na luta por posições intermediárias no início da prova. Com um discurso mais conservador e discreto, tanto BMW quanto Mercedes buscaram no início uma corrida de recuperação, já que o domínio do rival era evidente.
 
A largada aconteceu em uma tarde ensolarada, mas com muito vento na Hungria. Sem surpresas, os carros da Audi se agruparam e evitaram qualquer tipo de disputa brusca por posições nas primeiras voltas. De qualquer maneira, Farfus conseguiu saltar da sexta posição para o quinto lugar, sendo melhor carro da BMW no grid naquele momento.
 
Rast manteve a primeira posição e procurou uma estratégia para disparar na ponta da corrida. Com dez minutos de prova, os carros começaram a realizar as paradas no pit. Foi necessária a entrada do safety-car entrar na pista em razão da quebra do carro do belga Maxime Martin, que simplesmente apagou e ficou parado no meio da pista.
 

A relargada aconteceu na 11ª volta e mudou a história da prova. Farfus foi bem e conseguiu ocupar a terceira posição, mas na curva seguinte foi tocado e caiu para o fim do grid, na 16ª posição. Além dele, o líder do campeonato, Lucas Auer, também se envolveu no incidente e foi para o último lugar.
 
Quem se deu bem foi Mattias Ekström, que assumiu a liderança da prova. Robert Wickens até então era o melhor carro da Mercedes na corrida, mas por problemas no pneu e foi para o fim da fila e logo depois abandonou. Nessa altura da prova, os carros da Audi estavam entre as cinco primeiras posições, mas ainda não haviam feito a parada no pit.
Paul di Resta venceu a corrida 1 do DTM em Hungaroring (Foto: DTM)
Para conseguir manter o máximo de carros entre os primeiros colocados, a Audi optou por realizar as entradas no pit de maneira gradativa, para que os pilotos da frente conseguissem realizar voltas rápidas e retornar o mais próximo do primeiro lugar, já que Mercedes e BMW optaram por antecipar as paradas para conseguir ganhar posições.
 

Ekström deixou a primeira posição ao parar e retornou apenas em oitavo. Rast assumiu a liderança provisória da corrida, mas não conseguiu realizar voltas muito rápidas. Quem se deu bem foi Paul Di Resta, da Mercedes, e Timo Glock, da BMW, que assumiram as primeiras posições restando menos de 20 minutos para o fim da corrida.
 
Os carros da Audi não se deram muito bem na estratégia e retornaram com seu melhor carro em quinto lugar com Mike Rockenfeller, que conseguiu impor um bom ritmo no fim da prova sendo melhor do que os primeiros colocados. Entretanto, o máximo que conseguiu foi chegar em quarto lugar. Com a prova quase no fim, Di Resta só teve o trabalho de administrar a primeira posição e esperar para cruzar a linha de chegada em primeiro lugar.
O CANADÁ É PARA HAMILTON O QUE MÔNACO FOI PARA SENNA?