DTM

Green tem pane de motor na última volta, Rast vence na Áustria e se torna principal rival de Ekström ao título do DTM

Jamie Green saiu na pole, liderou por toda a corrida, mas seu Audi teve pane de motor na última volta. René Rast acabou herdando a vitória e assumiu a vice-liderança faltando uma etapa, colando na briga com Mattias Ekström, que terminou em 5°
Warm Up / FELIPE NORONHA, de São Paulo
 Jamie Green (Foto: DTM)

A etapa final do DTM, em Hockenheim, no próximo mês de outubro, será espelho de toda a temporada 2017 da categoria: emocionante. Porque ninguém consegue abrir vantagem na liderança - ou, ao menos, perde qualquer domínio logo depois de passar a impressão de que é o favorito ao título. Neste domingo, na corrida 2 em Spielberg, na Áustria, Jamie Geen liderou por toda a prova, mas teve pane no motor no giro final e cedeu o triunfo para René Rast, também da Audi. 

Rast, assim, foi a 151 pontos, ultrapassou Lucas Auer e o próprio Green, e colou nos 172 pontos de Mattias Ekström, quinto colocado - e vencedor da prova de sábado. Green parou nos 137 e vê as chances se tornarem quase irrisórias de maneira desesperadora.

Mike Rockenfeller terminou em segundo e chegou a 134, empatsado com Marco Wittmann, ainda sonhando com um milagre. A prova na Áustria, porém, acabou com os planos de Auer, que abandonou após incidente e parou em 131 pontos - era o vice na chegada à Áustria e deixa o país em sexto.
Mattias Ekström (Foto: DTM)
Saiba como foi a corrida 2 do DTM na Áustria

A briga em Spielberg começou com emoção na no treino de classificação. Green bateu Rast pela pole por apenas 0s055: 1m21s955 a 1m22s010. Green conseguiu seu melhor tempo após a bandeira quadriculada, logo após Rast terminar sua última tentativa. 

Ekström, vencedor da corrida 1, largou apenas em oitavo e teve problemas logo no começo, sendo forçado a ir aos boxes já na segunda volta, assim como o brasileiro Augusto Farfus. O sueco acabou tendo que começar a batalhar posição por posição, escalando o grid.

Na frente, Green teve reação mais rápida que os rivais e conseguiu segurar o avanço de Rast. Mas briga, de fato, só quando faltavam 43 minutos, entre Rockenfeller e Wittman. O primeiro acabou com vantagem após diversas tentativas de ultrapassgem. Pouco depois, Wittman foi atacado por Ekström, na busca do sueco por voltar à briga.

Green optou por parar aos 37 minutos, o primeiro entre os líderes – aposta acertada, já que voltou na frente dos rivais quando estes pararam. Ekström seguia a busca por subir e passou Rockenfeller faltando 32 minutos.

Wittmann seguiu sofrendo ao ser passado por Müller quando faltavam 26 minutos. Só que, pouco depois, Bruno Spengler acertou a traseira de Auer, em incidente de prova, e tirou um dos candidatos ao título da corrida. “É sempre assim quando largamos no fundo do grid, sempre algo dá errado”, lamentou Auer.

Isso também forçou bandeira amarela, o que recolocou todos no páreo, em relargada quando faltavam nove minutos. Green novamente saiu bem e manteve a frente, enquanto Rast segurava a segunda colocação. Ekström, por sua vez, chegou a passar Wittmann (causando reclamação do piloto no rádio) e alcançou a quinta posição, mas não segurou os adversários.

Até que, no minuto final, uma sequência de acontecimentos decisivos ocorreu: primeiro, Green errou em curva, abriu demais e não sío viu Rast passar como mais dois rivais, despencando para quarto; logo atrás, Ekström passou Wittmann. Mas a falha de Green não foi apenas humana - seu carro apresentou problemas e ele abandonou em seguida. 

Rast aproveitou e voltou à briga pelo título com os 25 pontos da vitória, se tornando o principal desafiante a Ekström, que com a quinta posição anotou mais 10. Rockenfeller e Müller completaram o pódio.
’SOLDADINHO’ DA PENSKE?

CASTRONEVES TEM FALTA DE TÍTULO COMO MANCHA NA CARREIRA