DTM
12/08/2018 10:30

Di Resta passa Paffett por fora na largada para vencer corrida 2 do DTM em Brands Hatch

A corrida 2 do fim de semana do DTM teve uma disputa crucial pela liderança já na largada. Paul Di Resta encaixou uma ultrapassagem por fora sobre Gary Paffett, que não teve ação no resto da corrida para dar o troco. Augusto Farfus abandonou
Warm Up / VITOR FAZIO, de Porto Alegre
 Paul Di Resta (Foto: DTM)
Gary Paffett e Paul di Resta, respectivamente líder e vice da temporada do DTM, tiveram um embate neste domingo (12) em Brands Hatch. A dupla brigou pela liderança já nas duas primeiras curvas, com di Resta se afirmando em primeiro após encaixar uma ultrapassagem por fora. A ousadia foi chave: depois de passar Gary, Paul ficou com tudo na mão para vencer em solo britânico.
 
Di Resta nunca conseguiu abrir grande vantagem sobre Paffett, mas isso não foi problema – mesmo menos de 1s atrás, Gary não parecia capaz de brigar pela liderança de fato. A maior ameaça foi o clima: a dupla viu Jamie Green retardar o pit-stop ao máximo, assumindo a liderança provisória enquanto torcia para a chuva cair. Não aconteceu: a corrida seguiu seca, justamente como Paul queria.
 
René Rast completou o pódio, também próximo de Paffett. O piloto da Audi também se viu incapaz de brigar de fato pela posição. Pascal Wehrlein foi quarto, mas mais de 8s atrás. Marco Wittmann completou o top-5.
Paul di Resta venceu no DTM (Foto: DTM)
A zona de pontos ainda contou com Mike Rockenfeller, Phillip Eng, Daniel Juncadella – vencedor da corrida 1, Lucas Auer e Timo Glock. Green, com a aposta no clima, recebeu um drive-through e terminou apenas em 16º.

Augusto Farfus, que foi ao pódio no sábado, teve um dia para esquecer. O brasileiro se envolveu em um acidente na largada e terminou com danos na frente do carro. Farfus até tentou continuar, mas abandonou após 21 voltas.

A próxima etapa do DTM acontece em Misano, na Itália, no fim de semana dos dias 25 e 26 de agosto.
 
Saiba como foi a corrida 2 do DTM em Brands Hatch
 
A corrida começou com uma disputa importante para o campeonato. Paffett não largou tão bem, permitindo que Di Resta tentasse algo por fora. Depois de contornar a primeira curva lado a lado, o escocês assumiu a liderança de vez na segunda. Wehrlein se consolidava em terceiro.
 
Logo atrás, a corrida ficava conturbada. Frijns e Auer se tocaram na saída da 3 e foram para a barreira de pneus. Farfus, tentando desviar dos carros desgovernados, não conseguiu impedir danos na dianteira. O safety-car foi acionado para permitir a limpagem da pista, seguindo até o fim da terceira volta.
 
Di Resta manteve a liderança sem grandes problemas, enquanto Paffett sofreu para segurar Wehrlein em outra briga particular da Mercedes. Green e Rast, da Audi, completavam o top-5. Farfus, que largou em sexto, aparecia em nono e começava a perder rendimento.
Gary Paffett (Foto: DTM)
A volta 6 marcou o início do ciclo de pits. Wehrlein foi o melhor posicionado dentre os que pararam, colocando pressão sobre Di Resta e Paffett. Wittmann, Duval, Müller e Spengler também pegaram pneus novos.
 
Mas Wehrlein teve um contratempo dos mais sérios. O alemão foi ultrapassado por Rast, que parou uma volta depois e causou perda de tempo em disputa por posição. Enquanto Pascal se complicava, Di Resta e Paffett anotavam voltas melhores na liderança. Sem dificuldades, os dois primeiros pararam a voltaram na frente do ex-Sauber.
 
Green herdou a liderança, agora com Rockenfeller em segundo. A missão era encaixar voltas rápidas com pista livre, mas a dupla da Audi precisaria se puxar para fazer a estratégia funcionar. Enquanto Jamie cometia errinhos, como tocar a brita na curva 1, Di Resta era em média 1s melhor por volta.
 
Enquanto cinco pilotos seguiam na pista com pneus velhos, Di Resta se contentava com o sexto lugar. Paffett era sétimo, apenas 0s6 atrás, mas mais preocupado com Rast, 0s4 atrás.

Na volta 21, o primeiro abandono da prova. Farfus, que já se arrastava no fim do pelotão, recolheu para a garagem. Os danos no capô ainda da largada impossibilitaram um repeteco da briga pelo pódio, como na corrida 1.
 
Com mais da metade da prova já para trás, apenas Green e Frijns seguiam na pista com pneus velhos. A dupla da Audi apostava na chuva, que ameaçava cair desde a largada, como forma de derrotar os pilotos da Mercedes.
 
Frijns desistiu da empreitada na 25, e pagou um preço caro por isso. O holandês perdeu muito tempo com pneus gastos e voltou apenas em 15º. Green passava a ser o único ainda sem parar, mas sem condições de trocar pneus e seguir líder.

A estratégia não estava destinada a funcionar: Green parou poucas voltas depois e voltou em sétimo. Não era tão ruim, mas logo pioraria: Jamie forçou Wittmann para fora da pista e recebeu um drive-through de presente, desabando para fora da zona de pontos.

A briga pela liderança, que estava morna, voltou a aquecer nas últimas voltas. Paffett estava se aproximando perigosamente de Di Resta, mas trazendo Rast junto. O piloto da Audi ensaiou um ataque, mas segurou a onda. Mesmo sem de fato trocar posições, foi um presente para o escocês, que abriu vantagem suficiente para cruzar a linha de chegada com algum alívio.