Brasileiro de Marcas
09/12/2017 15:29

Com carro ‘Pica-Pau’, Marques vence em Interlagos e entra na briga. Orige aproveita pane de Nonô e vira líder no BR de Marcas

Mudou tudo no fim de semana decisivo do Brasileiro de Marcas. Nonô Figueiredo, que tinha chances até de ser campeão neste sábado, enfrentou uma pane no seu Chevrolet Cruze e ficou pelo caminho, abandonando a prova. Thiago Marques, com o Renault Fluence estilizado com o layout em menção ao personagem ‘Pica-Pau’, venceu a terceira prova seguida na temporada e entrou na briga. Mas o grande vencedor acabou sendo Vicente Orige, o novo líder de 2017
Warm Up, de Interlagos / FERNANDO SILVA, de Sumaré
 Thiago Marques venceu a corrida 1 do Brasileiro de Marcas em Interlagos (Foto: Fernanda Freixosa/Vicar)

O automobilismo tem a velha e boa máxima proferida pelo ícone Juan Manuel Fangio: “Carreras son carreras”. Nonô Figueiredo largou na pole-position da penúltima etapa da temporada do Brasileiro de Marcas, neste sábado (9) em Interlagos, e tinha tudo para ampliar sua vantagem, que já era muito boa, de 18 pontos para Vicente Orige. Mas aí deu tudo errado para o piloto da Onze/HERO. Uma pane no seu Chevrolet Cruze colocou tudo a perder, e Thiago Marques, que vinha em segundo, teve a chance de vencer pela terceira vez consecutiva, e com seu Renault Fluence alusivo ao personagem ‘Pica-Pau’. 
 
Mas o grande vencedor, se é que se pode dizer assim, foi Orige. Atrás de Nonô durante todo o campeonato, o dono do carro #43 da JLM Racing assumiu a liderança no momento decisivo da temporada: às vésperas da última corrida. Vicente terminou em segundo, mas comemorou o resultado como uma verdadeira vitória.
 
Agora, a classificação do campeonato aponta Orige com 251 pontos, quatro a mais que Nonô, enquanto Marques aparece em terceiro, com 234. E só os três estão na briga. 
 
Neste domingo, às 15h (horário de Brasília), qualquer um dos três pode vencer o título. Orige tem situação mais confortável porque a ele basta terminar à frente dos rivais Nonô e Marques. Para Thiago ser campeão, é preciso que ele vença a última prova e torça para que seus dois adversários cruzem a linha de chegada atrás do sexto lugar. 
 
Obedecendo à regra do grid invertido, Patrick Choate, oitavo colocado, vai partir da pole; Marques sai em oitavo, uma posição atrás de Orige. E Nonô vai ter de correr atrás do prejuízo depois de largar em 11º e penúltimo.
Thiago Marques venceu a corrida 1 do Brasileiro de Marcas em Interlagos (Foto: Fernanda Freixosa/Vicar)
Saiba como foi a corrida 1 do Brasileiro de Marcas em Interlagos
 
Nonô largou bem e manteve a liderança da prova depois de partir na pole, segurando com autoridade o Renault Fluence de Thiago Marques. O veterano partia firme rumo à conquista do título, uma vez que não precisava correr com o lastro.
 
E Nonô aproveitou toda sua experiência e belo desempenho do Chevrolet Cruze #11 para abrir uma vantagem bem confortável na liderança. Mais atrás, Marques se defendia dos ataques de Orige com seu carro inspirado no ‘Pica-Pau’. E na luta pelo quarto lugar, Felipe Tozzo lutava para evitar a ultrapassagem de Cesinha Bonilha no seu Renault Fluence.
Nonô Figueiredo estava muito perto do título... mas vai ter de correr atrás do prejuízo (Foto: Fabio Davini/Vicar)
Enquanto Bonilha e Tozzo travavam um empolgante duelo roda a roda, com direito a vários toques, Nonô Figueiredo enfrentava problemas com seu carro e ficava lento na pista. O veterano, que caminhava para uma vitória acachapante para colocar de vez a mão na taça, recolheu para os boxes e abandonou a luta pelo topo do pódio.
 

Aí a liderança passava para as mãos de Marques, mas a vitória nem de longe estava garantida, uma vez que Orige não o deixava escapar e tinha menos de 1s de diferença. A briga era entre os dois, uma vez que Tozzo e Pedro Boesel vinham bem mais atrás.
 
Orige bem que tentou pressionar, mas Marques assegurou sua terceira vitória consecutiva na temporada e, assim como Vicente, entrou na briga. Nonô bem que tentou voltar, mas seu carro continuou lento e cheio de problemas, de modo que o veterano teve de deixar o Chevrolet Cruze pensando em reverter um cenário que parecia perfeito, mas que agora é dos mais difíceis para tentar o bi do Brasileiro de Marcas.
FALTA DE HONESTIDADE

PERDA DE ETAPA DA FÓRMULA E É DESASTROSA PARA SÃO PAULO